Haddad e Lula criticam redução dos direitos trabalhistas proposta pelo governo golpista

Compartilhar

 

 

Ao lado do ex-presidente, Haddad afirmou que o governo Temer está traindo os trabalhadores

 
 


Contra as propostas do governo Federal que reduzem os direitos trabalhistas e da previdência, além do congelamento dos gastos sociais com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, o prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Fernando Haddad, participou de uma plenária ao lado do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, na quadra dos Bancários, na noite desta sexta-feira (09/07). O evento contou com a participação de militantes, equipes que trabalham com apoio aos trabalhadores e movimentos sociais da cidade. A tônica dos discursos foi "nenhum direito a menos".

Sobre o governo Michel Temer, o prefeito Haddad afirmou que governo está traindo os compromissos com a classe trabalhadora e que as candidaturas de João Doria (PSDB) e Marta (PMDB) compactuam com esse processo, pois suas siglas fazem parte da atual administração federal. "O que está em jogo em São Paulo é a manutenção do projeto que a gente representa, que mudou a vida das pessoas para melhor. Só na educação, em apenas quatro anos, os nossos indicadores de qualidade da educação foram os que mais avançaram dentre todas as capitais do Brasil", disse.

Sobre as eleições municipais, Haddad também ressaltou que acredita na sua reeleição, lembrando da importância do apoio da militância. "No primeiro turno de 2012, as pesquisas também diziam que não íamos ganhar, e a gente ganhou graças ao apoio de vocês! No segundo turno é um contra um, e no `mano a mano` a gente ganha, porque eles não tem proposta pra cidade", colocou.

O ex-presidente Lula relembrou o trabalho de Haddad à frente do Ministério da Educação, enaltecendo o comprometimento do candidato com a população, bem como o importante trabalho do candidato a vice, Gabriel Chalita, como secretário municipal de Educação. "Eleger o Haddad e o Chalita é assumirmos um compromisso com o futuro deste país, com a nossa educação. Tenho orgulho de ter convivido com o melhor ministro de educação da história do Brasil. Se a gente quer educação de qualidade e acha que é base para apoiar o futuro dessa cidade, precisamos eleger esses dois para cuidar de São Paulo. Com esse dois, é educação em dose dupla", afirmou o ex-presidente. "É só mostrar a diferença entre o seu governo e o dos seus adversários que o povo de São Paulo vai te reeleger", concluiu Lula.

 

Fonte: Equipe Haddad

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais