“Marta, Dória e Russomano estão fazendo jogo duplo com o eleitor”, diz Haddad

Compartilhar

 

 Após o debate, o prefeito e candidato à reeleição Fernando Haddad diz que adversários estão prometendo mundos e fundos para São Paulo numa época de crise e estão lutando no Congresso Nacional para suprimir direitos dos trabalhadores e dos aposentados com um congelamento por 20 anos dos gastos sociais

 

 O prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Fernando Haddad (PT / PCdoB / Pros / PDT / PR), participou na noite deste domingo (18/09) de um debate promovido pela TV Gazeta, o jornal O Estado de S.Paulo e Twitter . O candidato falou sobre diversos temas, mas chamou a atenção do público e dos candidatos ao denunciar a perda de recursos prevista com a PEC 241 (Proposta de Emenda à Constituição), que o governo federal pretende aprovar. A PEC prevê o congelamento de recursos para as áreas sociais, como educação e saúde, por 20 anos.  

 

“Deixei um recado bastante firme no debate. Quem está prometendo aqui e lutando contra o trabalhador em Brasília não vai conseguir cumprir o que está prometendo. Se as pessoas refletirem sobre isso vão ver quem está falando a verdade”, disse Haddad, ao final do debate. “Muitos estão fazendo jogo duplo, agindo em Brasília contra os direitos do cidadão que estão consignados na nossa Constituição. É preciso denunciar pois é uma falta de respeito com o eleitor fazer um jogo de sombras. Marta, Doria e Russomano estão fazendo jogo duplo, pois se apresentam como pessoas que têm dinheiro sobrando para tudo, mas estão tirando dinheiro das áreas prioritárias, como saúde, habitação, transportes públicos. Os candidatos que sustentam o governo Temer estão dizendo uma coisa nos palanques e fazendo outra no Congresso Nacional”, ressaltou Haddad.

 

O candidato também lembrou que grande parte das propostas apresentadas por seus adversários já foram colocadas em prática em sua gestão. “Há três semanas os candidatos Russomano, Doria e Marta estão fazendo as mesmas propostas e parte delas já estão sendo executadas pelo atual governo, como praça wifi, universidade nos CEUs, carreta da saúde com a Rede Hora Certa, O que nos difere é que esses candidatos apoiam um governo que quer mudar a Constituição e congelar por 20 anos os investimentos sociais em saúde e educação. Se a proposta for aprovada nenhum de nós vai conseguir cumprir o que está falando na campanha”.

Ao falar sobre corrupção, Haddad relembrou que criou na sua gestão a Controladoria Geral do Município, que já conseguiu restituir mais de R$ 600 milhões. “Quem criou a Controladoria fui eu. Outros governos tiveram oportunidade, mas não criaram. Eu já recuperei R$ 300 milhões em dinheiro, só R$ 145 milhões da Água Espraiada e R$ 151 milhões da máfia do ISS que atuou na gestão Kassab, que hoje apoia a Marta e bloqueei R$ 330 milhões de imóveis, inclusive do pessoal do Theatro Municipal (acusado de corrupção). Nós estamos dando exemplo para o Brasil”, afirmou.

Durante o debate, o candidato também defendeu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva: “Foi o maior presidente da história da nossa República, comprometido e o que mais melhorou a vida dos trabalhadores brasileiros”.

 

Fotos:

Flickr https://www.flickr.com/photos/145818034@N02/

 

Fonte: Campanha Fernando Haddad

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais