Haddad destaca cidade educadora em evento com professores

Compartilhar

 

 

edu

Em plenária com mais de mil educadores na Casa de Portugal nesta sexta-feira (16/09), o candidato à reeleição falou sobre sua política para transformar as ruas de São Paulo na casa do cidadão paulistano (Foto: João Valerio)

Nenhum direito a menos na educação, inclusão, cidadania, diversidade e democracia dentro da sala de aula por um Brasil mais justo, tolerante e com respeito pelos direitos humanos. Esses foram os motes da manifestação pública de apoio à reeleição do prefeito e candidato Fernando Haddad (PT/ PCdoB/ Pros/ PDT/ PR), na noite desta sexta-feira (16/09), na Casa de Portugal, no bairro da Liberdade, em São Paulo. Cerca de 1,2 mil pessoas compareceram ao evento e assistiram aos professores, educadores e cidadãos beneficiados por programas como o Transcidadania e UniCEU falarem das mudanças que aconteceram na cidade e em suas vidas desde 2013 com a gestão Haddad.

Entre os presentes estiveram o professor de economia e ex-Ministro da Educação Henrique Paim,  o ex- Ministro da Secretaria de Direitos Humanos Paulo Vannuchi, a socióloga Maria Victoria Benevides, o filósofo e pedagogo Demerval Saviani, o reitor da Universidade Federal Fluminense, Roberto Salles, o ex- reitor da PUC-SP Antonio Carlos Ronca, a ex-secretária Municipal de Educação Cida Perez, o reitor do Instituto Federal de São Paulo, Eduardo Antonio Modena, o ex-secretário Municipal de Educação e candidato à vice-prefeito Gabriel Chalita, a vice-prefeita de São Paulo Nádia Campeão e a primeira-dama Ana Estela Haddad.

Em seu discurso, Fernando Haddad criticou a falta de propostas de seus adversários especialmente para a área da educação, e destacou que a sua política pública de inclusão quer transformar os 17 mil quilômetros de ruas da cidade no lar de todos os cidadãos.

“A gente quer que a pessoa, quando passar da porta da sua casa, continue se sentindo na sua residência. Não tem uma proposta mais avançada para a cidade de São Paulo do que a nossa”, disse ele aos educadores. “O que os nossos adversários estão propondo na educação? Uma das propostas é fazer a escola de tempo integral e nós já fizemos. Cem EMEFs já aderiram ao Mais Educação São Paulo e estão estendendo a jornada para 7 horas/aula. Também estão propondo fazer 50 mil vagas em creche, mas nós já criamos 100 mil vagas de educação infantil. Então, nós vamos diminuir a meta pela metade? Não, nós vamos fazer mais 100 mil vagas de educação infantil no próximo mandato para zerar a fila”, disse.

Ele lembrou as conquistas no período em que esteve à frente do Ministério da Educação, como o programa Prouni que fez com que hoje mais da metade dos alunos das universidades do Brasil sejam provenientes de escolas públicas, além do sistema de cotas. Haddad foi Ministro da Educação por oito anos. “O que tem de liderança Prounista no Brasil e de liderança mulher e negra também. É um legado para a cidade de São Paulo e para o país. As mulheres negras estão fazendo acontecer porque estão ocupando os espaços de liderança e protagonismo na nossa cidade e no país”, destacou.

Em São Paulo, ele criou o sistema de cotas no serviço público para negros, criou a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial e levou a história da África para todas as escolas municipais com a distribuição de 90 mil exemplares do material didático com a síntese da História Geral da África na rede municipal de ensino. Mais de 33 mil professores foram formados para o ensino de história geral da África nas escolas: “Os negros hoje têm cada vez mais espaço, porque temos cota no serviço público, com muito orgulho, e hoje ensinamos a cultura e história da África nas escolas”, afirmou o candidato.

Haddad também construiu e entregou para a população o Centro de Educação Unificado (CEU) de Heliópolis e implantou as universidades nos Ceus. Em agosto passado, um vestibular para o curso de Pedagogia na universidade municipal do complexo de Heliópolis teve 20 candidatos disputando cada vaga. Até o final de 2016, todos os 46 CEUs terão cursos superiores gratuitos à população. Para o próximo mandato, o candidato planeja criar pelo menos 1 mil vagas para estudantes universitários em cada unidade.

“Somente no governo de Haddad foi possível dialogar através dos conselhos, como o Conselho da Cidade, o Conselho do Transporte. Somente no governo do Haddad foi possível aos estudantes acessar a cidade com o Passe Livre, que foi um marco histórico para a juventude de São Paulo. E mais do que isso, diferentemente do que acontece hoje no Brasil, nós sabemos que somente em um governo democrático podemos continuar dialogando sobre a ocupação dos espaços públicos. Por isso, não há prefeito melhor do que Haddad para a juventude e para a cidade de São Paulo”, declarou Flávia Oliveira, presidente da União Estadual de Estudantes de São Paulo.

As comunidades e minorias da cidade também ganharam especial atenção na sua gestão. Foram criados, por exemplo, o programa  Transcidadania, os Centros de Referência LGBT, o programa Braços Abertos e o Centro de Referência do Imigrante. “Isso tudo é porque a gente quer cidadãos iguais na cidade e igualdade de oportunidades para todo mundo. A cidade está mudando do ponto de vista conceitual”, comemorou o prefeito.

A transsexual Julia, aluna do ensino público e beneficiada pelo Transcidadania, agradeceu: “Obrigado por oferecer um espaço que nos dá dignidade. Essa prefeitura mudou e empoderou as nossas vidas. Por favor, não desista de nós”.

Haddad também lembrou que, mesmo vivendo o momento mais difícil da economia brasileira em 100 anos, São Paulo bateu recorde de investimento em sua gestão em todas as áreas: educação, saúde, moradia, cultura, mobilidade urbana. “Se em um momento de crise nós fizemos isso, se soprar um vento de crescimento, nós vamos fazer muito mais”, afirmou.

Ao final do evento, Haddad lembrou que, em 2012, somente quatro dias antes da votação do primeiro turno, ele estava 10 pontos atrás do segundo colocado e conseguiu, com o apoio da população, chegar ao segundo turno e vencer a eleição: “A Prefeitura não parou de trabalhar um minuto, os nossos secretários vestiram a camisa e a gente vai virar o jogo e ganhar mais essa eleição”.

Fonte: Portal Haddad SP

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais