Lula: “Não conheço ninguém com a capacidade de Haddad para gerenciar a coisa pública. São Paulo não pode prescindir do Haddad prefeito”

Compartilhar

 

 

Lula convoca população para a reta final da eleição em caminhada na zona leste, ao lado do prefeito e candidato à reeleição, Fernando Haddad

 

São Paulo, 25 de setembro de 2016 – “Será um prejuízo para a cidade e para a periferia que o povo eleja outra pessoa que não seja Haddad para a Prefeitura de São Paulo. Ele não fala que vai governar, ele vai cuidar do povo de São Paulo. Pegou uma cidade difícil do ponto de vista financeiro e foi o único prefeito desse país a consertar as finanças da cidade e fazer tantas obras”, afirmou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na manhã deste domingo (25/09), durante caminhada na região de São Mateus, na zona leste da cidade com o prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Fernando Haddad (PT / PCdoB / Pros / PDT / PR).  A campanha de Haddad reuniu todos os esforços para a reta final neste domingo. Enquanto Haddad ia à plenária da vereadora Verinha, na quadra dos bancários, centro de São Paulo, antes de ir para São Mateus encontrar Lula, do outro lado da cidade a primeira-dama, Ana Estela Haddad, fazia uma caminhada com em Heliópolis. O secretário da Saúde, Alexandre Padilha, também saiu às ruas e estava, no mesmo horário, fazendo caminhada no jardim Ângela, na zona sul.

 

Na zona leste, ao lado de centenas de pessoas, participaram da caminhada em São Mateus o candidato a vice-prefeito na chapa Gabriel Chalita, o ex-secretário de Direitos Humanos da cidade, Eduardo Suplicy, os presidentes do PT municipal, Paulo Fiorilo, e estadual, Emídio de Souza, entre outros representantes do partido. A caminhada teve seu ponto alto na Travessa Somos Todos Iguais, onde Lula e Haddad discursaram juntos.

 

“Depois do banho de Nordeste que ele teve esta semana, o Lula veio aqui para a zona leste, que é o berço do Partido dos Trabalhadores. É a terceira vez que Lula participa da campanha em 30 dias. A presença dele é para defender uma política para esta cidade, o legado do PT para a periferia da cidade”, disse Haddad.

 

O candidato à reeleição lembrou as realizações para a periferia, um dos principais legados da sua gestão: “Mudamos a qualidade da segurança pública com a iluminação LED, que começou pela periferia. Abrimos 415 creches na cidade e 400 km de corredores de ônibus fazendo a família paulistana chegar mais cedo em casa e no trabalho. Somente na zona leste quatro CEUs estão sendo feitos: dois em Itaquera, um em São Mateus e um na Vila Pudente, que vão ter universidade, cinema e curso profissionalizante. Trouxemos a universidade aberta para todos os CEUs - projeto de Uniceu -, para toda periferia poder fazer faculdade, e o filho do trabalhador poder virar doutor. Hoje 700 mil estudantes e 300 mil idosos têm Passe Livre. São um milhão de pessoas que deixaram de pagar passagem na cidade”, disse Haddad. “Recuperamos a prefeitura depois de oito anos de gestão Serra/Kassab, que não fizeram nada pela cidade em uma época de ouro, quando a economia crescia sem parar. A economia agora está parada e estamos fazendo mais do que eles fizeram em oito anos”, completou o candidato.

 

Haddad criticou a falta de politização da campanha pelos adversários: “Estou na vida pública há muitos anos e nunca vi uma eleição tão despolitizada em toda a minha vida. Dória (candidato do PSDB), Marta (PMDB) e Russomano (PRB) não apresentaram nada praticamente em quatro semanas e ficam reforçando supostos atributos pessoais. Eles confiam na despolitização para ganhar a eleição. Isso pode acontecer, mas tem vida curta porque eles não têm projetos para a cidade. Vamos à luta e vamos ganhar a eleição”, ressaltou Haddad.

 

O ex-presidente Lula lembrou durante seu discurso da dedicação, seriedade e profissionalismo de Haddad quando estava à frente do Ministério da Educação e classificou seus projetos como responsáveis por “uma revolução educacional”.

 

“Tive a honra de escolher Haddad para prefeito de São Paulo, porque conheci a qualidade dele como Ministro da Educação. Em 500 anos de Brasil nunca tivemos alguém da capacidade de Haddad para fazer o que foi feito em educação. Vamos passar para a história como o governo que mais fez universidades para o país, que mais colocou jovens de periferia para fazer faculdade, que em apenas 12 anos fez quatro vezes mais escolas técnicas do que a elite brasileira fez em 500 anos, como o governo que regulamentou o FIES. Em 100 anos chegamos a 3,5 milhões de alunos universitários e em 12 anos colocamos mais de 3,8 milhões de jovens na universidade. Esse homem é  responsável por isso. Ele é o cara que teve as ideias dessa revolução no Brasil”, disse Lula.

 

 “Não acredito que o povo não saiba o que você representa em administração pública, da sua capacidade. Conheço muita gente e não conheço ninguém com a sua capacidade de gerenciar a coisa pública. São Paulo não pode prescindir do Haddad prefeito e do Chalita vice”, completou Lula.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais