Haddad: 'Gostaríamos de estar no 2º turno para defender um projeto de transformação'

Compartilhar
 
Em discurso realizado após a confirmação da eleição de João Doria (PSDB) no primeiro turno, o prefeito petista defendeu processo democrático e legados de sua gestão
 
 
CHELLO/FRAMEPHOTO/FOLHAPRESS
haddad_vota.jpg

Prefeito Fernando Haddad foi derrotado pelo tucano João Doria

São Paulo – “Se hoje somos minoria, isso não vai nos impedir de continuar a defender nossos princípios e valores”, disse o prefeito de São Paulo e candidato à reeleição, Fernando Haddad (PT), derrotado hoje (2) em primeiro turno por João Doria (PSDB). “Cabe acatar o voto soberano e promover a melhor transição possível”, completou.

Seu breve discurso no diretório do PT em São Paulo foi centrado na defesa da democracia e do respeito ao voto popular. “Temos que dar o exemplo e fortalecer as instituições. E uma das instituições que mais respeito tem relação com a vontade popular. Estarei à disposição para elaborar um plano de transição tranquilo para a cidade”, afirmou o petista.

Com 98,83% dos votos apurados, o tucano ficou com 53,33% dos votos válidos. A eleição de um prefeito em primeiro turno é inédita na cidade desde a aplicação do sistema em 1988. Haddad lamentou o fato: “Gostaríamos de estar no segundo turno para defender um projeto de transformação. Tivemos condições adversas, mas gostaríamos de mostrar uma outra visão de cidade. Executamos um trabalho para futuras gerações, este legado seria importante entrar em discussão”.

Entre os pontos levantados como o projeto do petista para a cidade, estão avanços como a elaboração e aprovação do Plano Diretor Estratégico (PDE), a Lei de Zoneamento e a renegociação da dívida do município, que abriu a possibilidade de investimentos na cidade, sanando uma situação complicada no orçamento paulistano. “Talvez estes tenham sido nossos maiores legados. Tenho certeza que a vida dos próximos prefeitos serão mais fáceis do que foi a minha. Para isso serve uma boa administração, para entregar algo melhor do que se recebeu”, avaliou.

Câmara dos vereadores

Haddad comemorou dados preliminares que indicam a eleição de possíveis 14 vereadores da coligação para o Legislativo municipal. Esses dados foram estimulados pela votação expressiva recebida pelo candidato Eduardo Suplicy, com mais de 275 mil votos. Com ele, de acordo com a estimativa, é possível apontar a eleição de  petistas: Senival Pereira de Moura, Alfredinho, Juliana Cardoso, Antônio Donato, Jair Tatto, Reis, Alessandro Guedes.

“Gostaria de registrar a satisfação da eleição desses vereadores. Isso é extremamente importante. Suplicy ajudou muito enquanto secretário e assim será como vereador. Também é importante falar do Nabil e da mulher de nossa bancada, Juliana Cardoso. Companheiros batalhadores, que colocam o pé no barro o dia todo e defendem a cidade. Assim eles vão seguir e estarão vigilantes em relação a qualquer ameaça de retirada de direitos”, completou Haddad.

 
Fonte: Rede Brasil Atual 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais