Distribuição territorial de votos nulos, brancos e abstenções na cidade de São Paulo (2012 - 2016)

Compartilhar
Nos últimos dias tem sido discutido amplamente o peso dos votos nulos, brancos e abstenções no resultado da última eleição. É recorrente a afirmação de que esse processo de esvaziamento da participação da população no pleito eleitoral tem sido contínuo no tempo. Entretanto nos perguntamos se ele tem sido regularmente distribuído no território e se essa distribuição tem se mantido inalterada.

 

Acreditamos que essas respostas possam ajudar a compreender o processo que vivemos.

 

Para responder as questões acima, tomamos para essa análise os dados do município de São Paulo no primeiro turno nos anos de 2012 dados de votação para prefeito, 2014 dados para a votação de governador e 2016 dados para votação de também de prefeito. Utilizando dados do TSE agrupando em uma única classe abstenções, brancos e nulos. Considerados na proporção para eleitores aptos sempre para o pleito em questão. Utilizamos como método de distribuição das frequências os quartis para todos os dados.
 
Observe que para o ano de 2012 as maiores concentrações de votos brancos, nulos e abstenções concentram-se no centro expandido. Esse padrão é alterado para o ano de 2014, nesse ano a abstenção desloca-se para as regiões periféricas restando no centro apenas as proximidades do Brás e da Sé com alta concentração de votos brancos, nulos e abstenções.
 
 
 
Nos parece evidente uma alteração de percepção da realidade que alijou setores antes com maior engajamento no processo eleitoral. Essa alteração de percepção por outro gerou um engajamento maior de atores antes menos envolvidos no processo.

 

Vale recordar o que de mais relevante ocorreu nesse período. As manifestações de 2013 que varreram o país. Nos parece a hipótese mais razoável para a explicação do fenômeno de inversão no padrão espacial entre votos brancos, abstenções e nulos. No entanto outros fatores também podem ter contribuído como a própria deterioração da economia.

 

Assim como o aprofundamento do processo de abstenções, brancos e nulos já demandará a inclusão de outros fatores na análise esse não é o nosso foco.
 
Em 2016 temos o patamar das abstenções subindo para a casa dos 30% por zona eleitoral, encontrando suas máximas próximas de 40%. A tendência de maior participação do centro se mantêm com a exceção da região da Sé e Brás, tendência já presente em 2014, o extremo sul mantém sua abstenção estável entre 2014 e 2016 em um cenário de deterioração da participação nas eleições.
 
Por fim, lembramos que a maior parte dos dados tem alguma componente geográfica, isso nos permite afirmar que a análise geográfica é essencial para uma compreensão correta da realidade. Aqui demonstramos como a abstenção é um fenômeno variável pelo território apresentando inclusive mudança de padrão espacial no tempo.
Fonte: Blog SandroGeo
http://sandrogeotecnologia.blogspot.com.br/2016/10/distribuicao-territorial-de-votos-nulos.html

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais