Haddad propõe medidas para evitar monopólio entre aplicativos de transporte

Compartilhar

São Paulo – O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), divulgou hoje (10) medidas para impedir que empresas que prestam serviço de aplicativo de transporte privado atuem para eliminar a concorrência e monopolizar o mercado. A partir de amanhã, a outorga paga pelas empresas à prefeitura terá uma progressão, aumentando conforme o número de quilômetros rodados em cada faixa horária do dia. “O objetivo não é tornar o serviço mais caro, mas tornar mais justa a competição entre aplicativos e deles com os táxis”, afirmou Haddad.

Desse modo, até o limite de 7.500 quilômetros por hora, mantêm-se o valor padrão pago hoje, de R$ 0,10 por quilômetro. A partir de 7.501, o valor vai sendo aumentado até o limite de R$ 0,40 por quilômetro, a partir de 38 mil quilômetros rodados, por hora. No entanto, os valores serão distribuídos de acordo com a incidência: os quilômetros de cada faixa de valor serão cobrados separadamente. A prefeitura divulgará amanhã, no Diário Oficial, o valor e a quilometragem de cada outorga. A prefeitura monitora os quatro aplicativos que operam na capital e faz a cobrança do Imposto Sobre Serviços (ISS) e outorga semanalmente.

“Regulação vai além de outorga ou impostos. É preciso evitar a monopolização do serviço. Não queremos arrecadar mais. Se fosse isso, bastaria aumentar o valor da outorga para todos. Queremos impedir que uma empresa com maior poder de mercado aumente demais o número de veículos e jogue os preços para baixo, com objetivo de inibir a concorrência, de forma que ninguém utilize os outros aplicativos ou os táxis”, explicou Haddad. Atualmente, a prefeitura arrecada R$ 70 milhões por ano, com a tributação dos aplicativos.

Segundo reportagem do jornal Folha S. Paulo, a Uber detém 90% dos veículos que operam nesse sistema. Haddad disse apenas que a Uber tem um “percentual exagerado de veículos”, em relação às demais. Com a outorga, quem tem mais veículos – e, portanto, ocupa mais as vias da cidade – vai pagar mais caro para operar.

“Mas nada impede que o número de quilômetros das faixas seja revisto se ficar demonstrado o aumento da demanda. De nossa parte, queremos que o serviço cresça, porque significa menos carros particulares nas ruas”, disse Haddad. A prefeitura faz aferição do dado a cada três meses. "Essa medida olha para o futuro. Hoje, uma empresa pode baixar o preço para conquistar o mercado e liquidar as rivais. Amanhã, sendo a única, não terá barreiras para subir os preços e ampliar a exploração de trabalhadores, que não terão outros aplicativos para migrar", completou.

Para o prefeito, não há possibilidade de as empresas desrespeitarem a regra ou se descredenciarem do município para não se adequar. “Nossa decisão foi tomada com base no Judiciário. Uma decisão sobre a ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) contra a lei que proibiu os aplicativos de carona em São Paulo, da semana passada, declarou inconstitucional proibir esse serviço. A decisão, no entanto, faz menção ao direito da prefeitura de regulamentar o serviço. Não podemos proibir, nem liberar, mas regulamentar. É uma vitória para nós, porque esse era nosso entendimento desde o início”, disse Haddad.

Fonte: Rede Brasil Atual

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais