Criadas por Haddad, cinemas na periferia de SP atraem mais de 250 mil pessoas e se igualam a salas comercias

Compartilhar

 

 

Implantadas pela gestão Haddad, salas públicas de cinema na cidade de São Paulo registraram uma média de ocupação de 18%, próximo dos 20% registrados nos cinemas comerciais

 

Desde o final de março deste ano, as 18 salas públicas de cinema implantadas pela gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) receberam 250.525 pessoas, em especial na periferia da capital paulista. Os dados fazem parte de um balanço apresentado na tarde desta quarta-feira (16) pela Empresa de Cinema e Audiovisual de São Paulo (Spcine) durante a Expocine 2016, que acontece no Centro de Convenções Frei Caneca.

Durante esses sete meses, segundo o levantamento, foram realizadas 4.195 sessões de filmes nacionais e internacionais, a maioria delas gratuitas. A média da taxa de ocupação das salas  públicas é de 18%, próximo dos 20% registrados nos cinemas comerciais.

“Essas salas não ficam devendo a nenhuma sala comercial do Brasil. Fizemos questão de garantir a experiência de excelência cinematográfica e de programação, com quase 4.200 sessões, o que exige uma engenharia de complexidade sem precendentes”, disse o diretor-presidente da Spcine, Alfredo Manevy.

A programação do Circuito Spcine traz mais filmes nacionais que os espaços comerciais –cerca de 45% do total de títulos exibidos, enquanto no mercado privado o índice é de 33% -, valorizando as produções brasileiras.

Atualmente, 15 salas do Circuito Spcine operam dentro dos Centros Educacionais Unificados (CEUs), que oferecerem sessões gratuitas na periferia. Outras três salas na região central contam com ingressos a preços populares. Outras duas novas salas serão abertas até o final deste ano, uma delas em Cidade Tiradentes.

A abertura dos espaços para exibição leva em conta um estudo da JLeiva que apontou que, na média de toda a cidade, 10% dos paulistanos nunca foram a uma sala de cinema. Nas classes D e E, esse número sobe para 30%. Quando todas as 20 salas estiverem em operação, a Spcine estima que serão cerca de 200 sessões semanais, com expectativa de 960 mil espectadores por ano.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais