“O Brasil precisa mais do que nunca do PT”, afirma Haddad em plenária com a militância

Compartilhar

 

 

O PT da Capital realizou nesta segunda-feira (21), a plenária Haddad com a militância para avaliar o resultado das eleições de 2016. Durante o evento, o atual prefeito destacou que é preciso deixar de lado o que nos separa e colocar na mesa o que nos une, porque o Brasil mais do que nunca precisa do PT para lutar pelos direitos e conquistas que estão em risco na atual conjuntura.

“É ingênuo achar que a morte dessa legenda vai gerar outra que vai lutar pela inclusão. Se a gente entrar nessa de cada um querer salvar a sua pele, vamos destruir a política que acreditamos que não é um projeto pessoal, mas sim coletivo”, afirma Haddad.

Segundo o prefeito, a vitória da gestão em 2012 contra o José Serra em São Paulo acendeu todos os sinais da Casa Grande e houve articulação da imprensa extremamente desfavorável desde a primeira semana de governo. Outra questão destacada por ele, foi as manifestações de 2013, que veio como um raio e derrubou a avaliação da presidente Dilma, e o PT a partir daquele momento veio sofrendo desgaste.

“É preciso ter clareza dos desafios colocados. O fato do filho do Bolsonaro ter 14% de votos para prefeito no Rio de Janeiro, dá dimensão ao que temos que enfrentar”. De acordo com ele, algumas questões críticas em relação ao governo como comunicação, subprefeituras precisam ser feitas, mas é preciso avaliar sobre uma concepção ampla o que aconteceu nas eleições deste ano. 

O evento que aconteceu no auditório do Sindicato dos Químicos, na Liberdade faz parte de um ciclo de atividades de avaliação realizado com os movimentos sociais, sindical, horizontais, bancada de vereadores, diretórios zonais e membros do governo.   

O presidente do Diretório Municipal do PT-SP, Paulo Fiorilo informou que será feito um material de registro das avaliações que estão sendo realizadas na capital. No início da plenária, o presidente apresentou os principais pontos das avaliações feitas até o momento, separada em quatro eixos, cenário internacional, nacional, governo Haddad, campanha para prefeito e campanha de vereadores na capital paulista.

Além o prefeito Fernando Haddad e do presidente do Diretório Municipal, Paulo Fiorilo, também compuseram a mesa, as membras da executiva municipal Maria Rocha e Cleusa Garcia e o vereador eleito Eduardo Suplicy. Marcaram presença os secretários de Trabalho e Empreendedorismo, Arthur Henrique, a secretaria de Política para as Mulheres, Denise Motta Dau, o secretário de Relações Governamentais José Américo e os membros da executiva do DM.

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais