Em plenária com a militância, Haddad pede unidade em torno da defesa do legado petista

Compartilhar

 

Em ato no Sindicato dos Químicos, o prefeito falou que o país, mais do que nunca, precisa do PT

O diretório municipal do PT em São Paulo convocou uma plenária para fazer avaliação do processo eleitoral desse ano. Realizada na noite desta segunda-feira (21), no Sindicato dos Químicos, a atividade contou com a participação de dirigentes, vereadores, secretários municipais, militantes e simpatizantes.

Na abertura da plenária, o presidente do PT na cidade de São Paulo, vereador Paulo Fiorilo, afirmou que a atividade representa o fim de um ciclo de avaliações que a direção municipal realizou. Fiorilo adiantou que o partido vai lançar material com registro das avaliações.

Ao lado do ex-senador Eduardo Suplicy, o prefeito Fernando Haddad falou sobre o cenário nacional, as ações do seu governo e o futuro do PT. Ele também saiu em defesa do ex-presidente Lula e condenou a cobertura da grande imprensa.

Haddad salientou que é preciso deixar de lado as diferenças e se unir, pois "o Brasil mais do que nunca precisa do PT". "A hora agora é de deixar diferenças pequenas na mesa e unir nos valores que nos fizeram fundar esse partido", enfatizou. Ele frisou que o PT representa a esperança de quem espera "transformação social".

Para o prefeito, a principal tarefa da militância agora é defender o legado do partido e dos seus integrantes.

Diante de cerca de 200 militantes, Haddad ainda fez uma auto-crítica de ações de sua administração. "Sou o único prefeito que governou com 7% de recessão e bateu recordes de investimentos", disse Haddad, lembrando que 80% de seus feitos estão na periferia.

Segundo Haddad, é preciso ter clareza do momento vivido no país. “É preciso ter clareza dos desafios colocados. O fato do filho do Bolsonaro ter 14% de votos para prefeito no Rio de Janeiro, dá dimensão ao que temos que enfrentar”, afirmou.

Vários militantes aproveitaram a plenária para apresentar sua reflexão sobre o cenário político. Um deles foi o secretário de Relações Institucionais da Prefeitura de São Paulo, José Américo, que defendeu a necessidade de fazer uma auto-avaliação e pontuou que, devido a atual situação, é necessário reconhecer que o tipo de governo de conciliação de classes chegou ao cúmulo. Outro que fez suas considerações foi o secretário de Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo da Prefeitura de São Paulo, Arthur Henrique, que pontuou a necessidade de debater a relação do governo com o partido, com a militância e, sobretudo, com a periferia. Para ele, o que está em disputa é a renda.

 

Fonte: Cládio Motta - Portal Linha Direta

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais