Em SP, Dia da Mulher é marcado por luta em defesa dos direitos

Compartilhar
 
No Dia Internacional da Mulher, milhares se reuniram no centro da capital paulista contra os retrocessos do governo machista e misógino de Michel Temer
 

Paulo Pinto/Agência PT

No Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta quarta-feira, dia 8 de março, milhares de mulheres se reuniram na Praça da Sé, em São Paulo, para lutar por mais direitos e menos retrocessos do governo machista e misógino de Michel Temer.

Organizado pela Frente Brasil Popular e Marcha Mundial das Mulheres, o ato é uma reposta das mulheres ao desmonte da Previdência, contra a violência sexista, pela legalização do aborto e, claro, pelo Fora Temer!

“As mudanças que estão acontecendo no Brasil afetam as mulheres de uma forma muito dura. A reforma da Previdência, por exemplo, tira os direitos das mulheres de uma maneira muito explícita, já que que elas terão que aumentar em 10 anos o seu tempo de trabalho e de contribuição para poderem se aposentar. Além disso, elas desempenham uma dupla jornada, então essa é uma decisão muito injusta que empurra as mulheres para a pobreza e marginalidade”, afirma Sara de Roure, militante da Marcha Mundial de Mulheres.

Paulo Pinto/Agência PT

“Aposentadoria Fica. Temer Sai”, falavam as mulheres

Senhoras, jovens, crianças e até mesmo bebês formavam um bloco colorido e combativo com batuques, bandeiras, faixas e camisetas, com o principal grito de guerra “Aposentadoria Fica, Temer sai. Nenhum Direito a Menos”.

A estudante Julia Perico ressalta que o ato busca dar voz às mulheres e luta por mais igualdade de direitos. “A principal luta é por respeito e por uma sociedade em que nós, mulheres, possamos tomar as nossas principais decisões, como a legalização do aborto. As mulheres têm que seguir unidas e estamos aqui hoje para lutarmos juntas”, diz.

Durante a concentração no centro da capital paulista, as mulheres formaram um jogral e, juntas, diziam “Este golpe é racista e patriarcal, semeou ódio contra as mulheres, a população negra e os mais pobres e quer exterminar as organizações de movimentos populares e sociais”.

Paulo Pinto/Agência PT

Marli (de óculos) ressalta a importância da acessibilidade para as deficientes

Para Marli Santos, aposentada por invalidez e cadeirante, as lutas são ainda maiores. “Fora Temer e não a reforma da Previdência, porque do jeito que o governo está propondo a gente vai morrer e não vamos nos aposentar”.

Marli também complementa que o ato também é “pelas mulheres que apanham todos os dias e não tem condições de falar. Olhem para essas mulheres, principalmente as com deficiência. Se uma mulher, na maioria das vezes, não tem como correr dessas situações, imagina uma com deficiência”, explica.

No final da tarde, o grande grupo de mulheres seguiu em marcha pelo centro da cidade e juntou-se a outro grupo de mulheres que vinham do Masp. Juntas, marcharam até a Praça do Patriarca.

Paulo Pinto/Agência PT

Os dois grupos seguiram juntos pelo centro de São Paulo

Em frente a Prefeitura de São Paulo, as mulheres também mandaram o seu recado ao prefeito Dória. “Dória pode esperar, a sua hora vai chegar”.

Vale destacar que o 8 de março é o início de uma longa jornada de lutas, que continua com a greve da educação a partir do dia 15 de março e com todas as agendas de luta marcadas pela Frente Brasil Popular.

Confira a lista completa de mobilizações em nossa agenda.

 

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais