70 mil pessoas ocupam a Paulista em preparação para greve geral

Compartilhar

 

 

Manifestação reuniu milhares contra as reformas trabalhista e da Previdência, e pelo Fora Temer. Lideranças apostam em um abril intenso de lutas

Paulo Pinto/Agência PT

 

Cerca de 70 mil pessoas foram às ruas de São Paulo contra a reforma da Previdência (PMDB), a reforma trabalhista e pela saída do presidente golpista Michel Temer, nesta sexta-feira (31). A manifestação saiu da Avenida Paulista, andou por toda a rua da Consolação até chegar à praça da República, onde se juntou com a marcha dos professores e professoras. Convocado pela Frente Brasil Popular e Frente Povo sem Medo, o ato foi um “esquenta” para a greve geral do dia 28 de abril.

Paulo Pinto/Agência PT

Concentração na avenida Paulista

“A greve geral vai ser um sucesso, hoje o dia está sendo um sucesso. Nem era um dia de paralisação, mas teve trabalhador que paralisou. Teve gente fazendo greve espontânea”, afirmou Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), presente no ato. “Não é mais um movimento só nosso, mas de toda a sociedade brasileira, contra a retirada de direitos e pela democracia”.

Em abril, protestos e paralisações no campo e na cidade vão construir a greve geral. Douglas Izzo, presidente da CUT em São Paulo, afirmou que a preparação envolve atividades nas Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas, com o intuito de pressionar os parlamentares contra a reforma.

“Dia 28 de abril vai ser um grande dia e superior ao dia 15, nós vamos conseguir virar o jogo, e derrotar a reforma da Previdência”, afirmou Silvia Ferrado, da Frente Povo Sem Medo. Gilmar Mauro, do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) disse que abril já é um mês tradicional de lutas no campo, e que, este ano, a mobilização será ainda mais intensa. “Há uma disposição de luta que há muito tempo não se via”, afirmou.

Paulo Pinto/Agência PT

Manifestante em São Paulo

“A rua tá virando. O povo tá entendendo o que significa o governo do Temer e essas contrarreformas brutais que são um retrocesso incrível ao país”, disse Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). “A greve do dia 28 é um marco, nós vamos impedir essa votação”.

“O que ocorre é uma catástrofe, perda de direitos em todas as áreas e em todos os sentidos. A gente vê que as pessoas estão revoltadas e dispostas a lutar. Golpe em cima de golpe”, diz. “Eu trabalho na área de saúde do trabalhador e temos clareza de quanto essa reforma vai piorar aquilo que já é muito ruim”, afirmou Renata Paparelli.

“Esse governo só quer ferrar a parte do trabalhador, e estamos dando a resposta, na rua. Estamos na rua para não mudar coisas que já conquistamos lá atrás”, afirmou o trabalhador da Ford Giovani Alves da Silva. “Vamos brigar até as últimas. Isso que eles querem fazer, não vão conseguir, se depender do povo”, disse.

“É o maior retrocesso social, político e econômico que eu já acompanhei na minha vida”, disse Maristela Regiane, 52 anos. Para ela, apenas o povo nas ruas, pressionando deputados e senadores, pode reverter esse cenário

Fonte: Clara Roman, da Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais