Movimentos de SP querem saber: Doria, cadê a moradia?

Compartilhar

 

A União dos Movimentos de Moradia de São Paulo (UMM) organizou um protesto, na manhã desta quarta-feira (19), contra o prefeito de São Paulo João Doria. Com o objetivo de garantir uma política municipal de habitação de interesse social, a mobilização “Doria, cadê a moradia?” começou às 9h, na Praça do Patriarca, no centro da capital paulista, e seguiu até a frente da sede da Prefeitura.

Com o mote: “A cidade não está à venda! É preciso garantir a função social da propriedade e da cidade. Não às privatizações dos bens e serviços públicos!”, os manifestantes retiraram pacificamente as grades que estavam na frente da Prefeitura para se aproximarem da fachada.

Eles também exigiram que o prefeito garanta a destinação de recursos orçamentários à programas habitacionais, além de atender a população de menor renda.

O Município deve ainda estabelecer uma política de terras para viabilizar moradias populares, destinando terrenos para que as associações possam viabilizar seus projetos. Outro elemento fundamental é a aprovação de projetos de maneira transparente, estabelecendo uma via rápida de aprovação de projetos de interesse social.

Confira todas as reivindicações da União dos Movimentos de Moradia:

1. Destinação de, no mínimo, 5% em relação ao Orçamento Anual do Município para Habitação de Interesse Social (HIS), objetivando especialmente as Mulheres Chefes de Família e outros seguimentos vulneráveis.
2. Implementação dos instrumentos do Plano Diretor do Município para garantir a função social da propriedade;
3. Implementação da lei da Autogestão e criação de um programa municipal de autogestão.
4. Contrapartidas Municipais para o Programa Minha Casa, Minha Vida – Entidades, com destinação de terrenos, aporte financeiro e assessoria técnica para as Associações de Moradia;
5. Fortalecer Setor de Regularização de loteamentos e ocupações populares, públicos e particulares, garantindo a mediação de conflitos; .
6. Criar uma política de terras, que priorize a destinação de prédios vazios, que não cumprem sua Função Social da Cidade, a prefeitura deve adquirir e transformar em Moradia popular para baixa renda.
7. Estabelecer uma política de locação social, e aluguel social, para as famílias vulneráveis, especialmente os idosos.
8. Estabelecer uma política de urbanização de favelas e ampliar a regularização fundiária.
9. Fortalecimento das instâncias democráticas de participação, como conselhos e conferências.

Fonte: Agência PT de Notícias

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais