A Tática Tucana da Farsa

Compartilhar

A Tática Tucana da Farsa

 

Construção de políticas públicas para a juventude não é prioridade de “Fakes”.

 

Incomodados com as grandes discussões sobre os problemas da cidade, que a campanha do companheiro Haddad vem fazendo, os tucanos, no desespero, resolveram agir equivocadamente.

 

Durante uma caminhada de campanha do candidato Fernando Haddad (PT), realizada nesta quarta-feira (18) no Brás, os tucaninhos identificados como MARCOS SARAIVA e VICTOR FERREIRA, orientados pelo alto escalão da campanha de José Serra (PSDB), tentaram travestir-se de estudantes, para encenar um protesto sobre a educação no país.

 

A farsa ficou evidente. O pequeno grupo, organizado pelos dois, se dispersou logo após fazer meia dúzia de fotos na atividade.

 

O protesto “fake” levanta algumas considerações a respeito da atitude dos tucanos.

 

Primeiro: a luta do povo não está mesmo no DNA deles, que se utilizaram de uma reivindicação legítima para fins meramente eleitoreiros. Agir de má fé parece já ser tática oficial das campanhas tucanas, haja vista a bolinha de papel.

 

Segundo: a greve legítima dos professores e alunos das universidades federais está sendo negociada pelo governo federal, já com proposta de plano de carreira e de reparação das perdas salarias, ao contrário do que os tucanos fazem no Estado. Sem negociação, São Paulo segue com um dos piores salários do Brasil e seu dialogo é na base de muita bala de borracha e gás de pimenta.

 

Agora, onde estavam os tucaninhos nos grandes confrontos da cidade no passado recente? Onde estavam durante as manifestações contra o abusivo e injusto aumento da passagem de ônibus? Porque não protestaram contra o massacre de Pinheirinho? De que lado estavam na ação desastrada da chamada “Operação Cracolândia” ou na perseguição aos artistas ou às iniciativas culturais como o Sarau do Binho?

 

Com certeza, movimento social não é o forte deles, que nem coragem tiveram para repudiar a violência policial contra a juventude na periferia, que não raramente culmina em morte.

 

Simulações como esta e tantas outras não ajudam o paulistano a escolher o melhor candidato a prefeito, a intervenção da Juventude Petista se fará no confronto, mas no campo programático, discutindo as soluções para o abandono das políticas públicas de juventude nas gestões Serra/Kassab.

 

Aproveitamos para convidar os falsos manifestantes para discutir e confrontar os programas - se é que têm- para a juventude paulistana.

 

Erik Bouzan – Secretário Municipal da Juventude do PT – São Paulo

 

Rogério Cruz – Secretário Estadual da Juventude do PT-SP

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais