OPINIÃO: Renato Rovai: Chávez, morre o homem e nasce o mito

Compartilhar

 

Hugo Chávez morre, em Caracas, aos 58 anos. A notícia vem acompanhada de uma fala dura do vice-presidente Nicolas Maduro que lança a suspeita de que ele possa vir a ter sido envenenado, como Yasser Arafat. Maduro diz que pretende instalar uma comissão de cientistas para investigar a causa da morte do ex-presidente.

 
Por Renato Rovai, em seu blog Quarta-feira, 6 de março de 2013

A simples suspeita de que isso possa ter ocorrido já é em si uma tragédia. Mas se algo vier a ser comprovado, acabaram-se os limites que garantem algum nível de estabilidade democrática em nosso Continente.
Nos últimos anos várias lideranças políticas de esquerda foram vítimas de câncer na região. Entre elas, Chávez, Lula, Lugo e Cristina Kirchner. Mas isso pode ter sido apenas uma coincidência. E será melhor para todos que sim. Porque senão líderes de todas as partes do mundo que não fizerem o jogo do império e das grandes corporações passam a estar ameaçados. E se isso vier a ocorrer, a democracia será menos do que uma falácia.
A liderança que Chávez exerceu durante seus anos à frente do governo venezuelano incomodou por demais os EUA e seus parceiros. Também porque a Venezuela é um importante país exportador de petróleo, mas não só por isso. Principalmente porque ao conquistar o governo ele ousou estimular líderes de outros países a radicalizarem seus discursos nas disputas locais. E foi fundamental para vitórias de candidatos mais à esquerda na Bolívia, no Equador, no Peru, na Nicaraguá, entre outros.
Chávez sabia que não podia ficar isolado. Precisava fazer com que os EUA perdessem força no Continente para que seu governo pudesse se desenvolver com algum nível de independência. Em 2002, quando Lula disputava a presidência da República, já tinha visitado por três vezes a Venezuela e mantinha contato frequente com pessoas próximas do governo. Quase todas avaliavam que se Lula perdesse, Chávez teria muita dificuldade em continuar no poder.
O ataque mais forte a Chávez foi em abril de 2002, mas depois da eleição de Lula, a Venezuela teve o paro petroleiro. Naquela ocasião o governo brasileiro colocou técnicos à disposição para operar na PDVSA. E contribuiu fortemente contra o apagão no país.
Chávez foi uma liderança fantástica. Seu carisma é difícil de ser entendido pelo brasileiro padrão. Mas cansei de ver venezuelanos chorando enquanto ele discursava. Ao mesmo tempo, ouvi todos os tipos de agressão daqueles que não o suportavam. Chávez sempre ganhou eleições com aproximadamente 55% dos votos. Ele nunca reinou absoluto, mas desde que se candidatou, sempre venceu. Quase sempre pelo mesmo placar.
Hoje milhares de pessoas devem estar chorando sua morte em todas as partes da Venezuela. Nos cierros de Caracas, a desolação deve ser total. Mas em muitas casas, em geral as mais nobres, certamente a noite vai ser curta para as comemorações. Nos Vales, há celebração.
Qual vai ser o destino da Venezuela sem Chávez? Há muitas possibilidades. Mas mesmo no limiar da morte, Chávez fez um movimento que indica que a unidade, ao menos nesta primeira fase, está garantida. Ele indicou Maduro como seu sucessor. E se houver eleição, Maduro repetirá algo próximo dos 55% históricos de Chávez.
Essa é a tendência, mas não é uma certeza. E mesmo vitorioso dificilmente Maduro conseguirá repetir Chávez. A liderança de Chávez era contestada, discutida e criticada, mas ninguém ousava menosprezá-la.
A Venezuela perde muito com sua morte. A América Latina idem.
Mas Chávez morre sem ser derrotado pelos seus adversários. Pode até ter sido assassinado por eles, mas derrotado não. E por isso, ao que tudo indica, morre o homem e nasce o mito.
*Renato Rovai é jornalista e editor da Revista Fórum.

 
 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais