OPINIÃO: Por que Dilma mantém alta aprovação popular

Compartilhar

 

Se a grande mídia brasileira expressasse a opinião da maioria do povo não bateria tanto no governo dela, como faz

 
Por Elói Pietá Quinta-feira, 21 de março de 2013

O resultado da última pesquisa CNI/Ibope realizada em todas as regiões do Brasil deu 63% de ótimo e bom para o governo Dilma e apenas 7% de ruim e péssimo. Se a grande mídia brasileira expressasse a opinião da maioria do povo não bateria tanto no governo dela, como faz. É que as grandes redes de TV e rádio, e os jornalões, expressam a opinião dos setores ricos da sociedade, a maior parte deles na faixa dos 7% descontentes.
Até hoje a chamada grande burguesia nacional e internacional não apoia os governos do PT e governos semelhantes na América Latina, que se caracterizam por desenvolvimento com distribuição da renda, com democracia, com promoção da consciência popular de seus direitos igualitários. Pois é da natureza de quem é rico fixar-se na idéia de que cada um tem que se virar e que apenas a vontade e garra pessoal leva a subir na vida. Boa parte deles já nasceu em berço privilegiado, o que facilitou decisivamente sua ascensão. Quem não teve essa origem é caso à parte, que, por ser exceção, não pode ser adotada como regra para toda a sociedade. Eles acham que são perdulárias ou inflacionárias as políticas governamentais de distribuição da renda, de benefícios sociais, de reforma agrária, de valorização dos salários acima da inflação, de gastos com aposentadoria. Eles preferem o corte de gastos nestas áreas. Eles preferem juros altos para ganhar no cassino financeiro. Preferem desonerações de tributos para eles e tem horror a um imposto sobre grandes fortunas.
Ao contrário do que pensa a minoria contrariada com os governos Lula e Dilma, a história tem demonstrado que distribuir renda, dar atendimento público e gratuito de educação e saúde, garantir uma moradia saudável, faz com que as pessoas de origem pobre, que são a maioria, tenham oportunidade de mostrar seu valor pessoal, que se assim não for, fica estrangulado.
A pesquisa mostrou que a aprovação de Dilma é sobretudo a aprovação deste tipo de governo distributivista e social. Tanto que 61% dos entrevistados acham este governo igual ao de Lula. Os outros se anulam: 20% acham que é melhor e 18% acham que é pior.
Uma boa notícia é que a aprovação da saúde pública subiu de 25% para 32%. E se a pesquisa fosse feita apenas entre os usuários do sistema público o resultado seria melhor. Mostra que o povo tem que continuar pressionando por aquilo que ele quer. Na educação, a aprovação subiu de 43% para 47%. Outra área decisiva para o futuro do povo brasileiro.
Haverá um dia em que teremos mais liberdade para a maioria se expressar neste país. Este é um déficit democrático em nossa sociedade. Para chegar a isso temos que quebrar monopólios, diversificar a propriedade e as tendências de grandes meios de comunicação de massa, inclusive robustecer os meios estatais e os meios comunitários e coletivos de divulgação. Sem abafar o senso crítico na sociedade, abrigar as diferentes opiniões de uma maneira equilibrada.
*Elói Pietá é membro do Diretório Nacional do PT e ex-prefeito de Guarulhos/SP

 
 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais