OPINIÃO: São Paulo precisa de transporte público 24 horas e de qualidade

Compartilhar

 

Ao lado da região metropolitana, São Paulo concentra uma enorme quantidade de empresas com até quatro turnos de trabalhadores, como os chamados Call Centers, os hotéis, os supermercados, restaurantes e casas de shows que permanecem em funcionamento a todo vapor durante a madrugada

 
Por Luiz Claudio Marcolino Terça-feira, 14 de maio de 2013

Não é contraditório que, em uma metrópole como São Paulo, o transporte público pare de funcionar à meia-noite enquanto milhares de seus habitantes precisem do ônibus, do trem ou do metrô par ir a algum lugar ou voltar? Muitas vezes, exceto os que têm automóvel, é preciso aguardar o retorno do funcionamento do sistema para poder se deslocar numa cidade que não para.
Ao lado da região metropolitana, São Paulo concentra uma enorme quantidade de empresas com até quatro turnos de trabalhadores, como os chamados Call Centers, os hotéis, os supermercados, restaurantes e casas de shows que permanecem em funcionamento a todo vapor durante a madrugada.
Sem falar na diversidade cultural e gastronômica da noite paulistana, cujo público, assim como os trabalhadores e estudantes noturnos, também contribui para o crescimento econômico da cidade e precisa ser mais bem assistido em relação ao transporte noturno, o que contribuiria também para a geração de mais empresas e mais emprego no setor.
Com o advento da Lei Seca, o direito à curtição noturna ficou restrito a quem pode contar com a gentiliza das caronas ou a quem dispõe de recursos para pagar táxi. Mas a justa Lei veio para coibir abusos no volante, não para restringir direitos sociais. Afinal, a vida não é só trabalho e a curtição com amigos é um direito social legítimo. O transporte público noturno, ao colaborar para a obediência à Lei, poria fim à sensação de restrição.
Nesse sentido, o PL 621/11, instituindo o Metrô 24h na cidade de São Paulo, e a Indicação de nº 106/13, para implantação de linhas noturnas dos ônibus da EMTU, ambos de autoria do nosso mandato, fazem parte de um debate muito mais amplo: a necessidade de um transporte público-integrado e de qualidade, envolvendo Metrô, CPTM, EMTU, ônibus municipais, para atender diuturnamente os habitantes da região metropolitana de São Paulo, a maior da América do Sul e maior centro financeiro do país.
Portanto, não podemos nos furtar a uma discussão sobre a viabilidade de um projeto tão importante para o futuro da região apenas usando como contrário os argumentos da ausência de tempo para manutenção das linhas férreas dos trens do Metrô e a segurança pública. No caso do metropolitano, é possível repensar a logística da manutenção com novas tecnologias para os ramais já existentes. Para os projetos futuros, a implantação de um terceiro trilho pode ser a solução. Quanto à segurança, existem centenas de pessoas disponíveis para exercer a função. O que não podemos é fazer vistas grossas às evidências de uma necessidade que se impõe.
Recursos para os investimentos necessários existem. De 2007 a 2012, foram cerca de R$ 18 bi de empréstimos autorizados pelo governo federal, mas apenas R$ 5,5 bi foram usados pelo governo do estado no setor de transporte sobre trilho, que inclui CPTM e Metrô. No orçamento anual do Estado, dos cerca de R$ 21 bi previstos, apenas R$ 13 bi foram usados pelo governo em 2011. Em 2012, devem ter sido gastos apenas R$ 17 bi. Tempo para a manutenção das linhas e falta de segurança serão resolvidos com inteligência e vontade política.
*Deputado Luiz Claudio Marcolino é líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais