Tucanos agora cobram para si respeito a segredo de justiça, que nunca respeitaram

Compartilhar

 

Eles nunca respeitaram esse sigilo, esse segredo de justiça. Sempre se aproveitaram dos vazamentos para a luta política e o denuncismo

 
Por José Dirceu - Blog do Zé Dirceu
Quarta-feira, 14 de agosto de 2013


É de morrer de rir - ou chorar - o cinismo dos tucanos com relação ao segredo de justiça determinado em processos judiciais e neste que tramita no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) para investigar, a partir de confissão e entrega de documentos ao órgão pela Siemens, as denúncias de formação de cartel em licitações na área de transportes em contratos e aditivos firmados nos governos Mário Covas, José Serra e Geraldo Alckmin.

Eles nunca respeitaram esse sigilo, esse segredo de justiça. Sempre se aproveitaram dos vazamentos para a luta política e o denuncismo. Agora, vítimas de sua própria prática, derramam lágrimas de crocodilo. Igualmente hipócrita é o apelo que fazem à presunção da inocência que igualmente nunca respeitaram e sempre negaram aos adversários.

É hilário ver o comportamento de seus deputados nos programas de televisão - como no CQC, da Band. Histriônicos e histéricos, são incapazes de responder às denúncias de corrupção contra seus governos. Mas o tucanato é especializado em desinformação e diversionismo, como nesse caso do CADE.

Não é verdade que o CADE recusou-se a entregar documentos

Agora o governador Alckmin anuncia que o Estado conseguiu junto à Justiça Federal autorização para acesso às investigações do CADE sobre as denúncias de formação de cartel de fornecedoras de trens ao Metrô e à Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Mas o CADE não se recusou a entregar os autos do processo sobre o confesso cartel da Siemens. Apenas cumpriu determinação da Justiça que decretou o sigilo das investigações. E, no entanto, Alckmin e seu governo tucano repetem e repetem que o CADE não quis entregar os documentos.

Enquanto isso, dois de seus parlamentares, o senador Aloysio Nunes Ferreira Filho (PSDB-SP), líder na Casa, e o ex-líder senador Álvaro Dias (PSDB-PR) pedem uma CPI para a Petrobras. Pedem para a estatal, mas não para o cartel da Siemens ou para apurar as dezenas e dezenas de denúncias feitas ao longo dos 20 anos em que o PSDB governa São Paulo, duas décadas em que bloquearam cerca de 70 pedidos de CPIs na Assembleia Legislativa do Estado contra os governos tucanos paulistas.

Agora, os senadores Aloysio, Álvaro Dias e o tucanato no Senado querem convocar o ex-funcionário da empresa João Augusto Henriques (ex-diretor da BR Distribuidora), que já desmentiu as declarações a ele atribuídas e publicadas pela revista Época desta semana, mas não os envolvidos no escândalo dos trens e metrô de São Paulo, inclusive alguns líderes tucanos.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais