CUT, três décadas de lutas

Compartilhar

 

Hoje, depois dessas três longas e trabalhosas décadas, onde empunhamos com força e coerências as bandeiras de lutas mais caras à classe trabalhadora, podemos constatar que todo o esforço empreendido não foi em vão

 
Por Delúbio Soares
Quarta-feira, 28 de agosto de 2013


Há exatos 30 anos nascia a Central Única dos Trabalhadores, a CUT. Nós que a fundamos – buscando fortalecer a classe trabalhadora através de uma central sindical moderna, democrática e atuante – antevíamos o longo caminho de lutas a ser seguido. E hoje, depois dessas três longas e trabalhosas décadas, onde empunhamos com força e coerências as bandeiras de lutas mais caras à classe trabalhadora, podemos constatar que todo o esforço empreendido não foi em vão.

As incompreensões, as perseguições e toda sorte de fortes barreiras que enfrentamos, não impediram de lutássemos e muito menos que colecionássemos um sem número de expressivas vitórias e reconhecidos avanços das trabalhadoras e trabalhadores dos campos e das cidades, do comércio, da indústria ou da área de serviços. Valeu a pena!

Do momento em que surgiu no cenário sindical, político e social de nosso país, até os dias de hoje, a CUT teve participação efetiva e relevante na vida da nação. Organizada por respeitados líderes sindicais e integrada por milhares de trabalhadores que se multiplicaram com o passar dos anos, chegando à casa das dezenas de milhões, ela não decepcionou os que a sonharam como autêntica interprete das reivindicações da classe trabalhadora, mas também como seu braço combativo, destemido e atuante.

A CUT não é apenas a primeira central sindical brasileira. Ela é uma dos três maiores organismos de representação sindical do mundo, destacando-se pela seriedade de sua condução e a profunda identificação de ideais e propósitos com os milhares de sindicatos e milhões de trabalhadores que a integram.

Não houve movimento cívico ou social que não tivesse a participação ou o apoio da CUT. Na luta pela redemocratização, logo após seu nascimento, passando pelo reclamo popular por uma Assembléia Nacional Constituinte, livre e soberana; pela campanha das Diretas Já, mobilizando a massa sindical, e, sobretudo, em milhares de campanhas em favor dos trabalhadores, lá esteve a CUT. E em cada capítulo da história recente do Brasil, existe a marca indelével da participação decisiva de nossa Central e de sua devoção solidária à classe trabalhadora e ao país socialmente mais justo pelo qual lutamos.

A presença da CUT no cenário brasileiro pode ser realçada em alguns pontos fundamentais: o surgimento de um sindicalismo impregnado de comprometimento para com o novo país que construímos a partir de 2003, com o advento do governo do presidente Lula; a notória mudança positiva nas relações entre o sindicalismo e o restante da sociedade civil; a participação fundamental da CUT no processo de valorização da classe trabalhadora, que possibilitou a inclusão sócio-econômica de 40 milhões de brasileiros que saíram da pobreza e ingressaram na classe média. A CUT é a maior responsável, também, pela crescente melhoria nas relações entre o capital produtivo e o trabalho em todas as áreas da economia e da vida instit ucional brasileira.

A CUT nasceu com clareza de objetivos e a destinação histórica de um papel sem precedentes na história do país. Ela organizou os trabalhadores, modernizou a vida sindical, adquiriu irretocável respeitabilidade dentro e fora de nossas fronteiras e tornou-se um dos pilares do Brasil rico, justo, democrático e moderno que estamos legando às novas gerações.

Homenageio todos os companheiros que, naquele já distante e histórico 23 de agosto de 1983, comigo participaram da fundação da Central que organizou a classe trabalhadora como nunca dantes se ousara. Recordo os que já não se encontram entre nós e ressalto aqueles que, hoje, amanhã e sempre, mantém e manterão acessa a chama perene da luta em favor dos direitos e da emancipação de nossos irmãos trabalhadores. Orgulhamo-nos da história, da trajetória e do presente da Central Única dos Trabalhadores.

Viva a CUT! Viva os trabalhadores do Brasil!

*Delúbio Soares é professor

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais