Água é questão primordial no dia do Meio Ambiente

Compartilhar

Água é questão primordial no Dia do Meio Ambiente

O Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado nesta quinta-feira, 5 de junho, é um momento mais que oportuno para discutir a situação do abastecimento de água na cidade de São Paulo e na região metropolitana. É sabido que enfrentamos o verão mais seco dos últimos 80 anos, o que levou à redução contínua dos níveis dos reservatórios do sistema Cantareira e também de outros mananciais do Estado.

Diante da situação, o Governo do Estado criou um bônus para incentivar a redução do consumo e também anunciou uma multa para quem aumentasse seu gasto, em uma tentativa de penalizar o usuário ao invés de apresentar soluções para a crise. Mesmo assim, os níveis não param de baixar e as chuvas não têm sido suficientes para equilibrar essa relação.

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e o Governo do Estado realizaram obras emergenciais para utilizar o volume morto dos reservatórios, que fica abaixo da captação e que nunca havia sido usado no abastecimento dos cidadãos, com custo de R$ 80 milhões aos cofres públicos. A população questiona a qualidade desses recursos, enquanto já há casas recebendo água suja em suas torneiras.

E agora, as últimas notícias indicam que essas reservas do Cantareira, na pior das hipóteses, vão durar até outubro, o que é muito preocupante para a região metropolitana.

Ao mesmo tempo, moradores de diversos bairros da Capital, em especial nas periferias, vêm passando por momentos frequentes de falta d’água e afirmam que suas regiões estão enfrentando revezamento no fornecimento, mesmo com as negativas da Sabesp e do governador Geraldo Alckmin.

Por isso, é pertinente colocar na ordem do dia o debate sobre o planejamento do abastecimento para uma cidade como São Paulo e sua região metropolitana. Os governadores paulistas dos últimos 20 anos não tiraram do papel ações para prevenir problemas de desabastecimento e de estresse hídrico, como o que enfrentamos agora.

Até o momento, o governador e a Sabesp parecem contar demais com as chuvas do final do ano. E se as condições de seca se repetirem no próximo verão? Assistiremos a todos os nossos reservatórios secando, mesmo com a população tentando reduzir seu consumo?

Quais ações o Governo do Estado poderia já ter adotado - e ainda pode colocar em prática - para minimizar o problema de falta d’água: incentivar ações de reuso? Realizar obras para captar chuvas em outros locais? Buscar águas de outros mananciais?

São muitas questões. E até o momento, a realidade é que cidadãos estão com suas torneiras secas, preocupados com a qualidade da água do volume morto, enquanto o governador e a Sabesp apenas esperam a próxima temporada de chuvas, depois das eleições de outubro.

Em tempo: a Central Única dos Trabalhadores (CUT) promove um ato para esclarecer a população sobre a crise de abastecimento e denunciar o descaso do governo estadual com a falta de investimentos no setor, hoje a partir das 9h, com concentração na Estação Pinheiros do Metrô.


Paulo Fiorilo, vereador de São Paulo e presidente do Diretório Municipal do PT.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais