João Paulo Rillo: falta ética na crise da água em SP

Compartilhar

São Paulo assiste o colapso da falta de água em São Paulo se aproximando como se fosse uma história de terror daquelas bem apocalípticas, feitas em Hollywood. Como se fosse um cometa que assombra aquelas cidades americanas, que todos os dias recebem a notícia de que o desastre está cada vez mais próximo, os paulistas recebem todos os dias a contagem regressiva do primeiro volume morto do Cantareira, que está cada vez mais perto do fim.

Tal qual a ficção, o desastre não se consumou ainda e os prejuízos já ocorrem. O temor não espera a hora final: o preço dos caminhões pipa já disparou 270%. Certamente, o custo de abastecimento de água redundará em aumento de preços dos serviços e é obvio que empresas e agricultores irão adiar investimentos. Em São Paulo, por culpa da crise hídrica, teremos inflação por um lado e retração econômica por outro.

Tal como nos filmes, existem autoridades que, mesmo ciente dos fatos, não informam a verdade. Ocultam detalhes importantes e preciosos para a população. Esquivam-se de responsabilidades, ao mesmo tempo, que, com hipocrisia, enfrentam as críticas com desdém.

Assim, se questionados, serão frios e técnicos em público, presunçosos nos bastidores. Não se assustem se alguma gravação não oficial revelar que esses personagens chamam seus interlocutores de vagabundos e sem-vergonha. Enfrentam a cobrança dos representantes do povo como se “estivessem em um teatrinho que não vai dar em nada”:

Na ficção e na vida real teremos dificuldade de entender como essas autoridades chegam ao poder e como conseguem continuar, eleição após eleição. O enredo sugere grande capacidade de manipulação, talvez com apoio de parte da imprensa dita “livre”. Mas, não há tempo para reflexões mais profundas. O desastre se aproxima e precisamos saber, individualmente, como mitigar os prejuízos.

O discurso enganador atribui a origem do desastre às forças da natureza. Sabemos, entretanto, que mesmo que existam problemas imprevisíveis, as autoridades não se podem furtar ao papel de enfrentar os problemas com planejamento e planos de contingência. Se por ventura as obras não fossem feitas, seriam necessárias medidas emergenciais como o racionamento.

Mas as autoridades da ficção e de nossa realidade paulista não se curvam a imperativos éticos. Chamam a falta de água de “administração da disponibilidade hídrica”.

Enganam, adiam decisões importantes por interesses mesquinhos e potencializam os danos daquilo que já seria ruim por natureza. Na ficção, o problema de índole, de moral, é característico dos bandidos, que antes de duas horas de película serão derrotados pelos mocinhos. Na democracia real é diferente: o problema é ético, de falta de compromisso com o cidadão, que só pode ser superado nas urnas, dentro de um longo processo de aprimoramento democrático.

*João Paulo Rillo é deputado estadual e líder da bancada do PT na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais