Rui Falcão: O silêncio que leva à barbárie

Compartilhar

A mulher brasileira e a dignidade humana foram covardemente atacadas na semana passada em plena Câmara Federal. Basta! A sociedade brasileira não pode se calar diante da disseminação do ódio.

Ao vociferar com o dedo em riste e aos berros contra a deputada e ex-ministra Maria do Rosário (PT-RS), Jair Bolsonaro (PP-RJ) foi muito além da quebra do decoro parlamentar. Incitou ao estupro. Não se trata de opiniões em confronto. Trata-se de defender o crime e a barbárie.

Em 2003, durante entrevista, os parlamentares se desentenderam na frente das câmeras. O deputado disse, pela primeira vez, que não a estupraria porque ela não merecia. Indignada, a deputada se aproximou, foi empurrada e xingada.
Na terça-feira passada (9), Bolsonaro mais uma vez disparou covardemente ameaças e ofensas contra a deputada. Mais que isso: atacou a honra da presidenta da República e achincalhou direitos humanos universais mais uma vez.

Em 1999, Bolsonaro pediu o fuzilamento do então presidente Fernando Henrique Cardoso e o fechamento do Congresso. Ficou impune.

Anualmente, mais de 50 mil estupros são registrados no país, número estarrecedor, mas subestimado, segundo as autoridades. A cada dez minutos uma pessoa é vítima de estupro no Brasil: em festas para calouros de renomados cursos universitários, nos lares e nas ruas de pequenas e grandes cidades.

O estupro é uma chaga social alimentada por posturas intolerantes, machistas e criminosas de trogloditas. O Brasil não quer e não deve conviver mais com isso.

As cenas de Bolsonaro atacando a deputada compõem o ápice de uma encenação tosca e rasteira tolerada há décadas pelo silêncio do Congresso.

Durante anos a sociedade tem acompanhado suas reiteradas declarações ofensivas contra mulheres, negros e homossexuais.

De forma reincidente, Bolsonaro discrimina, induz e incita a discriminação étnica, racial e de gênero. É um expoente contra os avanços da civilidade e a consolidação dos direitos da mulher e dos negros –foi contra a ampliação da licença maternidade e das cotas.

A sociedade brasileira, os movimentos sociais, homens e, sobretudo, as mulheres não podem se calar. É preciso agir contra o crime e a incitação a ele.

O estupro é, para Bolsonaro, um direito exercido pelo “macho” quando elege a mulher-alvo como merecedora.

O Congresso e a sociedade compactuam com isso? Os eleitores do Rio, que elegeram Bolsonaro, concordam com isso? Não cassar esse deputado é dar sinal verde ao crime. Mesmo depois das declarações de congressistas em repúdio à atitude de Bolsonaro, não abrir um processo de cassação contra ele é institucionalizar o ódio que se pretendeu instalar no país ao longo dos últimos meses.

PT, PCdoB, PSB e PSOL ingressaram com pedido de cassação do mandato de Bolsonaro. Para esses partidos, o deputado ameaça veladamente a deputada, incorre em crime e atenta diretamente contra a humanidade. A gravidade do episódio caracteriza uma situação de perseguição, discriminação odiosa, incompatível com as responsabilidades e atribuições parlamentares.

Não basta o pedido de cassação. É preciso responsabilizar Bolsonaro criminalmente. Em qualquer país democrático, as leis e os limites garantem a liberdade e a vida em grupo. Não se constrói uma nação se nos submetermos ao horror, à barbárie e ao ódio.


*Rui Falcão é presidente nacional do PT

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais