Por Bebel - presidenta da APEOESP: Governo tucano em SP começa sem perspectiva de valorizar professores

Compartilhar

 

Os professores estaduais começam 2015 em insegurança e sem perspectivas de reajuste salarial. Ao mesmo tempo, o Secretário Estadual da Educação diz que o governo “tem como foco valorizar os professores que atuam diretamente na rotina das escolas.”

Não há valorização dos professores na rede estadual de ensino. Não há previsão de reajuste salarial para a nossa categoria, que vem acumulando perdas salariais sem que o Estado desenvolva uma política de recuperação do poder de compra de nossos salários, por meio de reposição salarial e aumento real.

Entre as categorias com formação de nível superior no estado de São Paulo temos a menor média salarial. Para a equiparação salarial prevista na meta 17 do Plano Nacional de Educação, necessitamos de um aumento de 75,33%, mas o governo que diz valorizar os professores não abre negociação em torno de nossa reivindicação.

Direitos inalienáveis são desrespeitados, como o pagamento de férias aos professores. Primeiro, o Governo Estadual dividiu as férias em dois períodos, dividindo também o pagamento de um terço sobre o salário. Mesmo esse valor, dividido, não é pago aos professores em licença médica (causada pelas péssimas condições de trabalho, assédio moral, violência nas escolas e outros fatores). Por isso, a APEOESP está ajuizando ações judiciais para os que estão sendo prejudicados.

Classes do ensino médio noturno estão sendo fechadas em diversas regiões do estado, prejudicando os estudantes que trabalham, sobretudo nas unidades que o governo quer transformar em escolas de tempo integral, um modelo imposto de cima para baixo e que prejudica professores e estudantes, sem melhorar a qualidade do ensino.

Os professores da chamada categoria “O” (temporários) tem péssimos contratos e sofrem desemprego de 200 dias, por força de uma lei absurda imposta pelo Governo Estadual, que também extinguiu a função de Professor Coordenador de Apoio à Gestão Pedagógica (PCAGP), deixando claro seu descompromisso com o trabalho das equipes escolares e com a qualidade de ensino. O projeto de Professor Auxiliar, importante para o trabalho de apoio à recuperação da aprendizagem dos alunos, está sendo colocado em xeque pela Secretaria da Educação, embora tenha sido recentemente criado.

Como se vê, o discurso de prioridade para a educação e valorização dos professores, que tão facilmente sai da boca dos governantes do estado de São Paulo, não passa de uma ilusão. O governo do PSDB gastou grandes somas de recursos em projetos eleitoreiros, deixando mais uma vez a educação estadual em segundo plano.

Por tudo isso, vamos à greve em 2015 se não houver negociação verdadeira e a apresentação de propostas concretas para nossas necessidades e reivindicações.

*Maria Izabel Azevedo Noronha é presidenta do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp)

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais