Rochinha: Queremos um PT e um governo de esquerda

Compartilhar

 

Terminados os festejos de carnaval, começa a vida real do povo brasileiro.

Com certeza, a partir de hoje as atenções estarão novamente voltadas para o cotidiano e a vida política. Recomeçam à todo vapor os trabalhos do Congresso Nacional, do Executivo, da Justiça e outros órgãos institucionais.

O Executivo deve encaminhar ao Congresso Nacional várias medidas de cunho de gestão política, visando retomar a ação da economia e avançar em propostas sociais. Por sua vez, o Legislativo além de encaminhar para discussão e votação as medidas do poder Executivo, também deverá criar, discutir e votar sua própria pauta. O Judiciário por sua vez, estará voltado para centenas de milhares de processos que cada vez mais se acumulam no âmbito de suas responsabilidades.

Os partidos com certeza irão se movimentar já se preparando para as eleições municipais de 2016.

Este será um ano de uma pauta política e social bastante agitada e complexa. As entidades dos trabalhadores em conjunto com partidos de esquerda, vão se mobilizar para garantir os direitos conquistados pela classe trabalhadora nos últimos 12 anos e, neste momento, ao mesmo tempo o PT terá um papel atuante e propositivo e terá que dar apoio ao governo da presidenta Dilma.

É preciso manter diálogo constante com as classes sociais, movimentos sindicais ao lado daqueles que em boa parte foram os principais responsáveis pelo crescimento do partido e sustentação dos governos Lula e Dilma.

Reconhecemos as dificuldades que o Brasil e o mundo passam em relação à economia, mas chegou a hora de nos mobilizarmos para fazer com que o preço da crise econômica do Brasil seja pago por aqueles que acumularam grandes fortunas às custas da mão de obra da classe trabalhadora.

A Constituição Brasileira garante que sejam taxadas as grandes fortunas dos ricaços no Brasil e temos de abrir uma grande discussão sobre grandes heranças, já que, grande parte delas foram acumuladas a partir de ganhos muitas vezes ilícitos, surrupiados do Estado brasileiro.

As famílias patriarcais não tinham e jamais terão condições de, com o trabalho na produção e na renda, acumular grandes fortunas como vários acumularam no Brasil.

Está aí o ˜X˜ da questão: O PT que nasceu do meio das classes sociais dos pobres, operários, comunidades, não pode sair dos trilhos da esquerda. Um governo seja ele qual for, eleito pelo Partido dos Trabalhadores e por outros partidos de esquerda, especialmente no caso da reeleição da presidenta Dilma no segundo turno, não pode em hipótese alguma, jogar o peso da crise econômica – criada sobre tudo por ganância de especuladores financeiro – nas costa do povo pobre e trabalhador.

A reeleição da presidenta Dilma se deve à participação da mobilização efetiva dos jovens ou não jovens de vários setores, mas de esquerda e progressistas que mesmo não fazendo parte do PT foram para as ruas defender um projeto de inclusão social que já estava em andamento com sucesso, reconhecidamente a nível internacional nos últimos 12 anos.

Doa a quem doer, o PT precisa assegurar para esta camada da população que seus esforços não foram em vão. É preciso mostrar para o povo, que não haverá desvio, e que o partido e o governo se manterão nos trilhos a qualquer custo, comprometidos com os direitos sociais e orientados pela ideologia de esquerda.

Rochinha - 2 Foto Mario Agra - divulgacao PT 5

Francisco Rocha, o Rochinha, é presidente da Comissão de Ética do Partido dos Trabalhadores

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais