Por Emir Sader: A corrupção entre o Estado e o mercado

Compartilhar

É tema reiterado da direita a denúncia sobre corrupção. Mas seu objetivo não é a moralização da política, pois quando ela governou ao seu bel-prazer – na ditadura e nos governos Collor e FHC –, ela esqueceu esse tema, justamente quando a corrupção mais correu solta no país.

O objetivo da direita é desqualificar o Estado e a esquerda, que valoriza o Estado como instrumento de transformação democrática da sociedade. O caráter seletivo das denúncias fica evidente quando o único centro da mídia são as denúncias sobre a Petrobras, enquanto o HSBC e o caso chamado Zelotes são completamente escondidos.

Qual a diferença? É que as primeiras envolvem o Estado, tentam demonstrar que a fonte de corrupção é o Estado e todas as suas instâncias e tentáculos – parlamentos, ministérios, empresas estatais etc; enquanto que as remessas para o exterior e o suborno de fiscais da Receita são casos de sonegação privada, com um montante incomparavelmente maior do que os primeiros.

Nestes casos, são empresas e empresários, tão louvados como agentes dinâmicos da economia e como protagonistas de campanhas contra o governo – incluídos os magnatas da mídia, entre eles, da Folha de S.Paulo, da Globo, da Bandeirantes, da RBS, envolvidos nas circunstâncias mais comprometedoras.

Sonegando, comprando funcionários para não pagar impostos, enviando ilegalmente recursos para o exterior – em suma, burlando o Estado, as leis, as responsabilidades tributárias, enquanto reclamam da corrupção do governo, da excessiva tributação, dos que não cumprem a lei.

No centro de tudo está o debate sobre o Estado – e, muitas vezes escondido – sobre o mercado. Não podendo elogiar o mercado – responsável pela crise internacional do capitalismo –, a direita tenta desqualificar o Estado. Segue a proposta do Ronald Reagan, na virada de período histórico, quando o Estado deixaria de ser solução para ser problema.

Problema, porque bloquearia a livre circulação do capital, porque regulamentaria, impondo limites, às relações sociais, impedindo que o mercado e os capitais circulassem livremente. A desqualificação do Estado seria uma via indispensável para que a livre circulação de capitais e o modelo neoliberal se impusessem.

A diabolização do Estado era condição indispensável para abrir caminho para o modelo neoliberal. Desqualificá-lo como ineficiente, que expropria as pessoas pela tributação, como burocrático, como corrupto.

As empresas estatais – como a Petrobras – não podem dar certo. Os programas sociais não podem funcionar bem. Os impostos são excessivos. A corrupção tem que afetar a todos e a tudo que tem a ver com o Estado.

Como contraponto, a empresa deveria encarnar todas as virtudes: eficiência, dinamismo, geração de quadros competentes, funcionamento perfeito. Os grandes empresários deveriam ser os novos heróis, como contraponto dos técnicos das empresas estatais.

Mas quando esses mesmos personagens se revelam como grandes sonegadores, corruptores, exportadores ilegais de capitais – tudo fica virado de cabeça para baixo. Daí a censura sobre os escândalos privados, em que o Estado não tem papel central.

*Emir Sader é um sociólogo e cientista político.

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais