Por Vicentinho: Terceirização, retrocesso trabalhista

Compartilhar

O projeto que regulamenta a terceirização tem como único objetivo aumentar a exploração da mão de obra e os lucros das empresas

O retrocesso ronda os trabalhadores brasileiros. O projeto de lei de autoria do empresário e ex-deputado federal Sandro Mabel que regulamenta o trabalho terceirizado, incluído na pauta da Câmara, é uma das maiores ameaças aos direitos de todos os trabalhadores, pois dilapida as relações de trabalho.

Em pleno século 21, o texto estabelece uma volta no tempo em termos de direitos e bate de frente com as vozes das ruas que defendem um país melhor para todos.

O projeto rasga a CLT (Consolidação da Legislação Trabalhista). Objetiva, na verdade, aumentar a exploração da mão de obra e os lucros das empresas, em detrimento da qualidade de vida e do trabalho.

A proposta foi engendrada para liberalizar ainda mais as relações de trabalho. Por isso, é rechaçada pela maioria dos ministros do Tribunal Superior do Trabalho, pela Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho, pelo Ministério Público do Trabalho, por advogados trabalhistas e pelas centrais sindicais.

É um acinte, pois o projeto permite também que a prática seja expandida a todas as atividades de uma companhia. Só há benefício para as empresas – zero de vantagem para os trabalhadores.

Os números ajudam a dimensionar o tamanho do estrago. Estima-se que há no Brasil, atualmente, cerca de 12 milhões de pessoas em regime de trabalho terceirizado. Com a aprovação do projeto, esse número subiria para 33 milhões.

Isto é, demissões em massa de empregados regularmente contratados para substituí-los por trabalhadores terceirizados, com salários mais baixos. Os terceirizados recebem salário, em média, 27,1% menor do que os regularmente contratados, segundo o Dieese. Também recebem menos proteção social e são as maiores vítimas de acidentes e mortes no local de trabalho.

Há outras implicações menos visíveis. O terceirizado é discriminado: em vários lugares não podem comer no mesmo restaurante e usar o mesmo transporte dos diretamente contratados. Outros benefícios são, para eles, apenas uma miragem. E quando as empresas terceirizadas não cumprem suas obrigações trabalhistas, é um salve-se quem puder, pois o trabalhador passa por uma via crucis processual.

A realidade imposta pela terceirização é cruel e retrocede no que há de moderno nas relações de trabalho e no desenvolvimento econômico. O objetivo inicial era equacionar algumas dificuldades secundárias das empresas, como portaria e restaurante. Agora, de forma inconcebível, quer-se uma terceirização ampla puramente em nome do lucro.

A inexistência de uma legislação específica e protetora contribuiu para o caos por que passam os trabalhadores e os empreendedores de responsabilidade social.

Por isso, apresentei o projeto de lei nº 1.621/07, que propõe a regulamentação da terceirização desde que haja igualdade de direitos entre terceirizados e efetivos, assegura a participação dos sindicatos em negociações prévias, proíbe a terceirização desmedida, estabelece a responsabilidade solidária, enfim, assegura a dignidade no trabalho.

O desafio é estabelecer diálogo e negociação entre os setores para pacificar as relações trabalhistas e oferecer à sociedade uma legislação moderna, em que os direitos e deveres sejam fruto de consenso.



*Vicentinho é deputado federal pelo PT-SP e presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Segurança e Saúde no Trabalho

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais