Os desafios do modo petista de governar

Compartilhar

Somos os protagonistas na adoção da transparência na prestação de contas e na execução orçamentária. Muitas das diretrizes do modo petista de governar transpuseram as fronteiras petistas e contagiaram a cultura administrativa e da governança, independente da coloração partidária.

Por Edinho Silva
Quinta-feira, 17 de janeiro de 2013


Artigo do Deputado Edinho Silva, publicado na FSP de hoje (17)

O PT não deve adotar uma postura defensiva. Mesmo sendo brutalmente atacado, conseguiu resultado histórico nas eleições municipais

As eleições municipais de 2012 foram um marco para o Partido dos Trabalhadores, que, mesmo num momento politicamente conturbado, conseguiu vencer em 68 cidades paulistas, inclusive na capital. Elegemos 55 vices e 675 vereadores em 382 cidades. Governamos 45% do total da população do Estado de São Paulo. É o melhor resultado eleitoral da nossa história.

Esse resultado consolida a relação do PT com a sociedade brasileira e paulista. Mesmo o partido sendo brutalmente atacado devido ao julgamento da ação penal 470, os eleitores falaram em alto e bom tom que têm identidade com o nosso projeto.

É um equívoco adotarmos uma postura defensiva no atual debate da conjuntura. O PT é o partido que construiu um modelo de governo que inovou as políticas públicas no Brasil. Esse modelo teve início nas cidades onde administramos e sempre adotou princípios éticos e de zelo com o dinheiro público.

Somos os protagonistas na adoção da transparência na prestação de contas e na execução orçamentária. Muitas das diretrizes do modo petista de governar transpuseram as fronteiras petistas e contagiaram a cultura administrativa e da governança, independente da coloração partidária.

O modo petista de governar tem identidade: é impossível um governo liderado pelo PT, que tenha inspiração na nossa história, não se estruturar na democracia direta, não dialogar com os oprimidos -no sentido mais amplo do conceito de opressão-, não ter a sensibilidade no enfrentamento às injustiças históricas e no combate a todas as formas e expressões de misérias.

Por mais que um governo liderado pelo PT possa ser amplo na capacidade de diálogo com toda a sociedade -e temos que perseguir governos de expressão democrática-, jamais podemos esquecer qual é a nossa missão histórica: nascemos e nos construímos sonhando com uma sociedade justa, igualitária e que radicalize a democracia. Portanto, que torne sujeitos nas relações de poder aqueles que sempre foram subjugados.

O grande desafio do modo petista de governar é visualizar as novas demandas históricas. O século 21 nos coloca o desafio de prepararmos as nossas cidades para que elas sejam capazes de ser palco da produção de riquezas sem dizimar os recursos naturais e sem segregar socialmente. Tem que ser prioridade a busca da sustentabilidade. Não a sustentabilidade como clichê do politicamente correto, mas, sim, como uma nova forma de organização da produção e distribuição de riquezas.

Outro desafio para o PT é ser o interlocutor de propostas que expressem as aspirações da nossa juventude. Os jovens são vítimas de todas as expressões de violência, morrem nas periferias do sistema; quando não são pobres e negros, também "morrem" com a incapacidade de sonhar e de acreditar em novo modelo de sociedade.

Mais que um discurso eleitoral, o modo petista de governar cria a identidade de um projeto nos municípios brasileiros. Persegui-lo deve ser a prioridade dos (das) nossos (nossas) chefes do Executivo nos municípios e dos nossos vereadores e vereadoras nas Câmaras Municipais.

O PT, ao longo da sua história, formulou novos paradigmas para as políticas públicas. Provou, liderando a coalizão nos governos Lula e Dilma, que é possível construir um grande país com programas inovadores e arrojados, sem perder de vista a responsabilidade administrativa.

Vamos olhar para a nossa história e seguir com passos firmes na busca do nosso futuro. Afinal: "Uma cidade parece pequena se comparada com um país, mas é na minha, na sua cidade que se começa a ser feliz".


EDINHO SILVA, 47, é presidente do PT no Estado de São Paulo, deputado estadual e ex-prefeito de Araraquara (2001-2008)

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais