Elio Gaspari: A conta está barata para o PSDB

Compartilhar

A complacência que amparou e viciou o PT quando ele estava na oposição, hoje ampara e vicia os tucanos

O governador tucano Beto Richa chamou de “bandido” o auditor da Receita paranaense que acusou a caixa da última campanha do PSDB de ter recebido R$ 2 milhões de uma quadrilha de servidores que fraudava crimes tributários. Luiz Antonio de Souza, o autor da acusação, está preso e vem colaborando com o Ministério Público. Ele é réu confesso num crime de corrupção de menores, mas, no caso das fraudes, há outros 14 servidores envolvidos, e o ex-inspetor-geral de fiscalização da Receita estadual passou duas semanas na cadeia depois de permanecer foragido por 40 dias. Deixou a penitenciária encapuzando-se.

Souza confessou ter praticado bandidagens na Receita, amealhando um patrimônio de milhões de reais. Pedro Barusco, o “amigo Paulinho” e os empresários que vêm colaborando com as investigações das petrorroubalheiras também são delinquentes e o comissariado petista atolou-se tentando desqualificá-los. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Souza não citou o governador nominalmente. Mencionou um pedido que recebeu do ex-inspetor-geral e apresentou a nota fiscal de uma compra feita com seu CPF para que 70 divisórias fossem entregues no comitê tucano. Richa preferiu a retórica dos comissários petistas, desqualificando o denunciante. Antes, havia representado sem sucesso contra o promotor que conduz a investigação das fraudes.

O PT está pagando hoje pela promiscuidade em que se meteu ao tempo em que as boquinhas de seus quadros limitavam-se a mordidas em concessionários de serviços municipais. Coisa do século passado, fortaleceu hábitos que desembocaram no escândalo da Petrobras. Quem foi complacente ao julgar as roubalheiras petistas daquela época, vê hoje o tamanho de seu engano.

Nenhum grupo político tem o monopólio da virtude, mas todos são responsáveis pela maneira como se comportam diante do pecado.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso diz que “nunca se roubou tanto em nome de uma causa”. O tucanato paulista, contudo, ainda carrega nas costas o escândalo do cartel de equipamentos ferroviários. Em 2008 a Siemens reconheceu que participava de um contubérnio para fornecimentos ao metrô de São Paulo e demitiu o presidente da sua filial brasileira “por grave contravenção das diretrizes da empresa”. Isso era resultado de uma faxina interna da Siemens e nada tinha a ver com política. Quando ela resolveu colaborar com as autoridades, o governador Geraldo Alckmin anunciou que pretendia processá-la: “As outras empresas não confessaram, mas a Siemens já confessou”. Sendo “ré confessa” devia devolver “centavo por centavo”. Sobrou para quem estava ajudando a Viúva. Passados sete anos, José Dirceu pegou uma cadeia, o “amigo Paulinho” está de tornozeleira, mas ninguém foi em cana pelo velho caso paulista. Até hoje não apareceu prova de que dinheiro arrecadado pela quadrilha tenha ido para a caixa do PSDB. Seria um roubo sem causa.

Rápido no gatilho ao reprimir manifestações de professores, Beto Richa conseguiu o impossível: rivaliza com a doutora Dilma em matéria de desgoverno. No caso das fraudes ocorridas na Receita Estadual nos últimos dez anos, já há 62 pessoas denunciadas pelo Ministério Público.

(Artigo originalmente publicado nos jornais “O Globo” e “Folha de S. Paulo”

Elio Gaspari é jornalista

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais