Por Alencar Santana Braga - PT: responsabilidade política e democracia

Compartilhar

 

O congresso nacional do PT realizado entre os dias 11 e 13 de junho, em Salvador, Terra do Acarajé e do Vatapá, foi um grande e importante encontro. 

Além da alegre e acalorada recepção do povo baiano, os(as) delegados(as) demonstraram seu compromisso partidário e preocupação política com a delicada conjuntura atual e os desafios futuros. 

A juventude petista presente ao congresso travou excelentes debates nos grupos de discussão, demonstrado, como sempre, que está antenada e preparada para propor soluções ao nosso partido. 

Assim como a juventude, as mulheres, negros(as), índios(as), artistas, público GLBT e demais mostraram a diversidade do PT e da sociedade brasileira, com seus sotaques e cultura, contribuíram para a construção política durante o congresso.

Essa ampla participação é fruto da justa políticas de cotas implementada pelo PT no congresso anterior e do nosso compromisso democrático. 

O debate central desse congresso travou-se em dois eixos, a política econômica do Governo Dilma e seus desdobramentos e a remodelagem do PED para o modelo congressual, como fora no passado. 

A implementação de uma política econômica recessiva ou que venha retirar direitos não encontra respaldo em qualquer grupo do PT, do campo majoritário às demais tendências. 

O entendimento e a crítica à política atual de "ajustes" encontra no seio do PT e de sua base forte divergência, pois muitos entendem que pode levar o país à recessão, agravada ainda com um cenário político instável e de golpe por parte de alguns setores. 

Entretanto, na abertura do encontro, o presidente Lula relembrou que os ataques que sofremos são antigos e visam enfraquecer o projeto político que sempre esteve ao lado das trabalhadoras e dos trabalhadores e também que não devemos vacilar na defesa das nossas conquistas e do nosso governo. 

A presidente Dilma, demonstrando segurança nas medidas implementadas e reafirmando que esse momento é curto e transitório, e que os direitos são inegociáveis, pediu confiança e apoio ao seu governo e as suas decisões, afirmando que não há qualquer política recessiva em curso e que o país em breve retomará o rumo do desenvolvimento com inclusão social. 

Ao PT, mesmo que diante de uma aparente contradição, não cabia outra coisa senão demonstrar sua maturidade e responsabilidade políticas reafirmando sua confiança no governo Dilma. Não há tempo para hesitação e dúvidas. 

Qualquer outra solução, como desejavam alguns grupos do PT, seria isolar ainda mais nosso governo, como desejam alguns abutres da oposição e do mundo financeiro. 

Em relação ao PED - processo de eleição direta - decidimos continuar com a participação direta de nossos(as) militantes na escolha das direções, abolindo a contribuição obrigatória para que o poder econômico de determinados agrupamentos em relação a outros não interfira no processo, e decidimos por realizar um seminário em 90 dias para debater e aperfeiçoar a participação militante direta. 

E bom fazermos o paralelo que essa proposta transfere ao próprio partido  a obrigação de financiar todo processo de eleição interna, dando paridade na disputa, no mesmo molde que defendemos com o financiamento público eleitoral, para que todos os partidos e candidatos(as) tenham as mesmas condições. 

Debatemos algumas outras propostas, como a realização de um congresso constituinte para escolher uma nova direção ao PT e também outras propostas na área econômica, demonstrando a riqueza e pluralidade do debate. 

Somos um partido formado por milhares de trabalhadores(as) homens e mulheres, jovens, adultos, idosos(as), negros(as), índios(as), população GLBT e tantos outros grupos que sabem que a política é um bem maior para melhorar a vida do povo e para defender direitos dos(as) trabalhadores(as) e dos(as) oprimidos(as). 

Sabemos que nossa história foi marcada pela luta política em defesa do nosso projeto transformador e que sempre enfrentamos dificuldades, preconceitos, calúnias e tantas outras agressões para que recuássemos. 

Vencemos e avançamos sempre. Agora não será diferente. 

Nosso congresso demonstrou mais uma vez a força do PT e a corrente majoritária, a CNB, agiu com a devida responsabilidade política que compete a maioria em defender o governo Dilma e também para democratizar ainda mais o PT. 

Que possamos aprofundar nossos debates com a mais livre e plural participação da militância e de todos (as) aqueles(as) que comungam com os mesmos valores da justiça social, da igualdade e da liberdade política para que continuemos sempre firmes e convictos que nossa missão  é longa e justa. 

Saudações 

Alencar Santana Braga
Deputado estadual PT/SP. 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais