Por Betto Ferreira: Política: o mantra da crise e a indignação do Alemão

Compartilhar

 

“Mas se ainda há pouco tudo estava bem, por que de repente dizem que estamos em crise?”. Tal questionamento não foi feito por nenhum membro do governo ou da oposição, por nenhum crítico de economia a convite da grande mídia, nem por nenhum especialista em política econômica. Ele foi dito pelo Alemão.

 

Quem é Alemão? Aproximadamente 40 anos, nos dias úteis, Alemão trabalha como representante comercial de uma empresa que vende portas e janelas antirruídos em bairros da classe média-alta. “Ao menos para mim não tem crise; tem vendido muito”, comemora. Nos finais de semana, como faz há anos, ele corta cabelos em seu pequeno salão no Jd. Orion, bairro onde também mora, na periferia da zona sul de São Paulo. “Cliente é o que não falta”, reforçando ainda mais sua descrença na crise.

 

Enquanto esperava a minha vez, fiquei refletindo sobre o questionamento de Alemão, o cabeleireiro: estamos mesmo em crise ou apenas sofrendo os efeitos da ira daqueles que não contavam com o referendo popular para a continuidade de um projeto que elevou a moral do país?

 

Nos últimos doze anos, aos olhos do mundo, o Brasil deixou de ser um país desacreditado para se tornar uma das oito maiores economias do mundo e um dos mais importantes mercados de investimento global. A ONU vive citando o Brasil como exemplo no combate à desigualdade social em tão pouco tempo. A OIT reconhece no Brasil também um exemplo no combate ao trabalho infantil no mesmo período. Recentemente, líderes sulamericanos afirmaram que a sobrevivência do continente depende do Brasil. E, contrariando uma visão negativa do tamanho da importância do país no mundo, Obama disse ser o Brasil uma potência mundial.

 

Segundo IBGE, a taxa de desemprego chegou em março/2015 a 6,2%, se mantendo entre as menores do mudo nos últimos dez anos (nada comparado aos 12%-15% de antes). Mas a grande imprensa, porta voz do mantra da crise político-econômica, que intriga o Alemão, alarda como “desemprego galopante” no país uma pequena elevação ocorrida nos ultimes meses, por causa de uma demanda menor na produção de automóveis.

 

Talvez o Alemão não saiba, pensei eu, enquanto ponderava sobre seu questionamento, mas as grandes empresas de comunicação (que são poucas no país, diga-se) têm motivos de sobra para dar ênfase a eloquências desse tipo: a proposta do atual governo de regulamentação do setor que, pretende, entre outras coisas positivas, ampliar o acesso à informação. Talvez seja isso, Alemão, que alguns não queiram que aconteça em nosso país. Informação é tudo, meu caro, e ter o monopólio da informação é mais tudo ainda.

 

Então é preciso inventar de toda forma uma crise já que a ideia somente de corrupção não pega mais. Para isso, até os maus resultados do futebol brasileiro (veja só), sobretudo da seleção brasileira, são logrados ao atual governo, responsável pela crise mantrificada. Ao menos é isso que se ouve de jornalistas e comentaristas nas resenhas esportivas dos principais meios de comunicação. Ora, como se na época do tetra e do penta a situação não fosse infinitamente pior: o desemprego chegava a 20% e a inflação sempre acima dos dois dígitos. E o futebol brasileiro, no entanto, foi vencedor nas duas oportunidades.

 

Enfim, chegara a minha vez. “Vamos lá, professor!”, chamou o Alemão que continuava a questionar a crise. Estava mesmo decidido a não acreditar na sua existência, pois se para ele e mais um tanto de pessoas que conhecia tudo estava bem. E se dirigiu a mim, como se quisesse encontrar quem também não se deixasse levar pelo mantra da crise. “Por que eu tenho de acreditar naquilo que querem que eu acredite, hein, professor?”.

 

A indignação de Alemão, o cabeleireiro, tem sido a mesma que a minha desde então. Uma boa resposta ao seu questionamento talvez seja: porque a crise ou a sensação dela gera insegurança, alimento dos oportunistas de plantão.

 

 Betto Ferreira - jornalista, professor e secretário de finanças do DZ Santo Amaro

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais