Por Chico Macena: De papel passado

Compartilhar

 

Em São Paulo, durante décadas, centenas de milhares de famílias foram migrando para regiões mais distantes do centro da cidade. Muitas vezes, vítimas da situação econômica, da especulação imobiliária e da influência dos grileiros, criando territórios irregulares na cidade.

A multiplicação de loteamentos irregulares atuou e atua, como uma das determinantes na configuração desordenada do desenho urbano. A forma da ocupação do território é um reflexo das desigualdades socioeconômicas e reflete na qualidade da moradia e do acesso aos serviços públicos.

São verdadeiros bairros/cidades que ficam na fronteira, na “periferia”, muitas vezes à margem dos processos de apropriação da cidade, do direito a quase tudo, inclusive do tão propagado e pouco socializado direito à propriedade. Para fazer frente a esta lógica, o novo Plano Diretor Estratégico (PDE) institui instrumentos e diretrizes para mudar o futuro, mas medidas imediatas devem ser tomadas, tendo como pano de fundo a cidade real.

Essa lógica moveu o prefeito Fernando Haddad e mais de 10 mil famílias que compareceram à Arena Corinthians, no último dia 15, para receber a titulação, demarcação e regularização fundiária. É a casa de “papel passado” que dá segurança à família e que a faz investir na qualidade de sua residência, realizando melhorias da porta para dentro e continuando a luta por mais conquistas da porta para fora.

Este ato foi o reconhecimento deste governo da luta de dezenas de comunidades, como a do Jardim da Conquista, Fazenda da Juta, Jardim Canaã, Morro do Macaco, entre tantas outras. No mesmo dia, o prefeito assinou um decreto simplificando os procedimentos de regularização, sem abdicar das questões legais, tais como as de segurança, ambientais, de estabilidade e habitabilidade, que irão beneficiar diretamente mais de 40 mil famílias que vivem em prédios da Cohab e que se encontram em condições irregulares.

Sabemos que são centenas de milhares de famílias que estão nestas condições e este é o primeiro passo, é mais que uma ação audaciosa proposta no Programa de Metas da Prefeitura (2013-2016), que será permanente e condizente com a prioridade que o prefeito deu a ela. A política de “papel passado” começou pela Zona Leste e vai avançar por toda a cidade.

Esse programa ainda deve ser aperfeiçoado nos seus instrumentos legais e de controle, melhorando seu aparato normativo. Entretanto, ele expressa uma nova visão de cidade, cujos conceitos estão no Plano Diretor Estratégico e nas políticas públicas que a Prefeitura vem desenvolvendo. Talvez, assim, possamos equilibrar mais o jogo de pressão de diferentes agentes sociais, tornando mais efetivo o papel do Estado em coibir a perpetuação dessa dinâmica excludente em relação ao direito à moradia digna.

Muito tem que ser feito para se alcançar as condições mais adequadas e eficientes. Não apenas para construir um processo de regularização fundiária, mas também aprofundar a oferta e a qualidade dos serviços públicos, para tirar essas populações da “periferia”, da margem da cidade que buscamos construir, mais moderna e mais humana.

A participação da população interessada em todas as fases do processo de implantação é uma condição indispensável para o êxito desta política. Só assim, se apropriando da cidade e participando da sua recriação, ela se apossará do sentimento de pertencimento e se transformará em sujeito social e de direitos.

*Chico Macena, 52 anos, é administrador e secretário do Governo do Município de São Paulo.

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais