Por Douglas Izzo e Eduardo Alves Pacheco: Metrô de São Paulo não é mercadoria

Compartilhar

 

Neste ano, em 21 de julho, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) lançou mais uma proposta de concessão no serviço público: a Linha 5 Lilás do Metrô. A argumentação é a mesma de sempre, redução de custo da máquina pública, eficiência no serviço e geração de emprego. No entanto, as experiências que tivemos em outros serviços e, em especial, no Metrô de São Paulo, vão em direção contrária do que ele falou.

Tendo como exemplo a concessão da Linha 4-Amarela do Metrô, fica evidente o prejuízo ao qual a população foi submetida. Há um atraso na conclusão das obras em mais de 10 anos, além do ônus aos cofres públicos de mais de R$ 377 milhões, em 2014, somente em relação ao reajuste contratual de tarifa. Outro prejuízo é de mais de R$ 200 milhões que um consórcio recebeu e teve seu contrato rompido.

Na geração de empregos, mais mentira, pois a presença física de funcionários para apoio e segurança é mínima, sendo monitorada dentro de uma sala à distância por aparelhos de TV. Não chega à metade o número de funcionários que o Metrô disponibiliza para conforto e segurança dos usuários. Sem entrar a fundo nos contratos e condições de trabalho muito inferiores.

E não podemos esquecer também a perda de vidas humanas em um desastre que, até hoje, não foi devidamente esclarecido, isso sem falar dos prejuízos que muitos moradores tiveram em suas casas, com a forma com que as obras foram feitas. Quando defenderam a Parceria Público Privada (PPP) na Linha 4, o secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Claudio Pelissioni, falou que estava adotando esse projeto para que o Metrô não andasse a passos de tartaruga. Pois é, a tartaruga ganhou do PSDB.

A proposta para a Linha 5 Lilás assume preocupações mais graves ainda, pois o sistema já está operando e as obras já foram contratadas. O dinheiro público, ou seja, dinheiro nosso, será repassado à iniciativa privada. Para que isso?

Tudo se dá em um contexto de investigações em andamento, inclusive da própria Linha 5 do Metrô, sobre acertos com as empreiteiras nas obras de expansão, escândalos sobre os cartéis de trem. Agora, mais uma doação aos empresários?

Para nós, cutistas, o serviço público não pode, em hipótese alguma, ser tratado como mercadoria. Muito menos ser parte de um jogo do capital. Manifestamos aqui o nosso total repúdio a mais esse ataque à sociedade e nosso irrestrito apoio aos metroviários de São Paulo em sua luta, desde então, contra essa proposta.


*Douglas Izzo é presidente da CUT/SP e Eduardo Alves Pacheco é da Atitude Metroviários da CUT/SP

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais