Por Luiz Henrique Dias: Haddad é um exemplo de como se pensar na cidade

Compartilhar

 

Há uma evidência, de certa forma empírica, e de grande parte científica, de que São Paulo tem hoje o Prefeito mais incompreendido dentre as grandes metrópoles mundiais.

Fernando Haddad é um exemplo de como se pensar na cidade de forma integrada e democrática, quebrando uma lógica — histórica — de o espaço público ser privatizado por uma determinada elite, seja ela detentora de capital, ou da antiga “carta” de livre uso, chamada carro.

Antes de Haddad, o carro reinava por São Paulo.

Eram dele as avenidas, os viadutos, os pátios, os cantos e a preferência.

A qualquer momento, alguém estava disposto a defender o veículo particular de forma feroz, como defenderia um filho, pois o processo social, de décadas, priorizou e superestimou o veículo particular, tornando-o uma extensão das vidas.

Bonitas, para muitos dos paulistanos, eram as ciclovias de Amsterdã, ou o transporte público priorizado de Viena.

Mas aqui, o carro era o soberano e permaneceu intocável enquanto o transporte público, exceto em poucas tentativas, nunca foi visto como uma prioridade, ficando sem os investimentos necessários para se evitar o caos de mobilidade que chegou às mãos da atual gestão, no início de 2012.

Com uma plataforma de campanha clara sobre o tema, Haddad venceu as eleições e começou a implantar, de forma planejada e com bases científicas e de engenharia, as propostas de seu programa de governo, em especial as faixas exclusivas e corredores e a nova malha cicloviária da cidade.

Implantou, também, o Bilhete Único Mensal.

E foi aí que começou a incompreensão.

As faixas foram criticadas, até mostrarem eficácia: o aumento da velocidade média dos ônibus, e diminuição dos tempos de deslocamento de casa ao trabalho ou ao estudo ou ao lazer.

As ciclovias foram atacadas, pois seriam, conforme os anunciadores do apocalipse, subutilizadas, pela falta de ciclistas e pela “insegurança” da cidade, mas hoje são amplamente utilizadas e há um movimento intenso de parte da sociedade por mais e melhores ciclovias.

O Bilhete Único Mensal é uma realidade e ajuda a vida de milhões de paulistanos, em especial aos que deixaram de comprometer tanto a sua renda com os gastos em transporte público.

Tal investida contra o carro, com valorização da mobilidade sustentável e do transporte público, afrontou o ego de parte dos donos de automóveis e gerou uma cisão de opiniões em toda a cidade. De um lado, a turma do carro e do ódio à esquerda, do outro, a turma da coerência — pois percebem a mudança e defendem a continuidade por sensibilidade à cidade — e os defensores das políticas de Haddad.

E o Prefeito foi mais longe.

Reduziu a velocidade máxima das vias, fundamentado por números positivos de outras grandes cidades do mundo e, apesar da chuva de críticas e reclamações, muitas fruto de uma reflexão mais feita pelo fígado do que pelo cérebro, vimos os números de mortes e acidentes despencarem, além de uma significativa melhora nos índices de congestionamento e na velocidade média dos carros.

Além de peitar a lógica de superioridade de uma parcela amorfa da sociedade, entregando a Avenida Paulista, símbolo do capital financeiro, às pessoas nos finais de semana.

Tudo tem levado a imprensa internacional a, constantemente, perguntar qual é a lógica da cabeça de parte dos paulistanos.

Essa tem sido também a minha dúvida.

A cidade de São Paulo deve aproveitar esse rico momento de sua história (em que há evidentes avanços na mobilidade) para avançar ainda mais na questão da mobilidade.

Devemos levar empregos, cultura, lazer e serviços às periferias, ampliar os horários de ônibus e a malha de corredores e faixas exclusivas, fomentar veículos elétricos e os deslocamentos de tração humana (como bicicletas, skates, longboards e patins), além de criar benefícios a quem optar por deixar o carro.

Somente assim, deixaremos de lado uma lógica histórica e nefasta de culto ao carro e sua prepotência.


*Luiz Henrique Dias é escritor e professor

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais