Por Rui Falcão: Aos 70, Lula ainda faz história

Compartilhar

 

Uma das maiores virtudes do ex-presidente Lula, que completou 70 na última terça (27), é ter mantido, ao longo da vida, um coerente compromisso com suas origens sociais. Sua trajetória é, toda ela, vinculada às lutas da classe trabalhadora e da população mais humilde por melhores condições de vida, por um país mais igual, mais justo, verdadeiramente democrático.

A história do Brasil, desde a luta pela redemocratização na década de 1970, não se escreve sem ressaltar seu protagonismo. Lula é um desses raros personagens que encarnam a alma de seu povo e as lutas de sua época.

O movimento do novo sindicalismo, independente, combativo e sustentado no "chão da fábrica", como se dizia, já seria suficiente para garantir a úila e a seus companheiros um lugar na história. As grandes greves de 1979 e 1980 e a organização independente dos trabalhadores, que daria origem à CUT, conferiram uma nova qualidade para a luta pela democracia.

Ao entrar em cena, os trabalhadores não apenas confrontaram corajosamente a ditadura militar mas também elevaram a pauta democrática, incluindo a liberdade de organização sindical e a luta por direitos sociais. Tomaram-se atores inesperados, e fundamentais, do grande movimento da sociedade brasileira pela redemocratização.

Lula voltou a surpreender o pais com a criação do Partido dos Trabalhadores, em 1980. Atuando sempre em conjunto com seus companheiros, dialogando e ampliando a interlocução -e esta é outra de suas grandes qualidades-. Lula aglutinou em tomo do PT sindicalistas da cidade e do campo, intelectuais, comunidades de base da igreja, setores da classe média assalariada.

Assim como o novo sindicalismo, a criação do PT, amplo, vivo, presente nas lutas populares e nucleado pela base, não estava nos planos das elites políticas de então. Pode se afirmar que o protagonismo político dos trabalhadores impediu que a transição do Brasil para a democracia se desse totalmente "por cima", que se tomasse mais um pacto de elites em nossa história.

As forças populares apresentaram sua própria agenda, que se refletiría nos avanços conquistados na Constituição de 1988. Mantendo-se fiel a seus compromissos sociais e percorrendo o Brasil, para falar e ouvir, nas caravanas da cidadania e como candidato à Presidência, Lula consolidou-se como símbolo da esperança e dos anseios por uma grande transformação do pais.

Lula fez história mais uma vez ao se tomar, em 2002, o primeiro presidente do Brasil originado das classes populares e comprometido com elas. Seus dois mandatos provaram que é possível governar com diálogo e participação, governar para todos, com especial atenção aos que mais precisam.

Por isso, nesses quase 13 anos de governo do PT e dos nossos aliados, o Brasil tomou-se uma das maiores economias do mundo, um país respeitado internacionalmente; vencemos a fome e nossa população conheceu a maior ascensão social de todos os tempos.

Por tudo isso. Lula é o maior líder popular do país e resiste, hoje, à mais sórdida campanha que as elites e sua imprensa já desencadearam contra um brasileiro. A virulência dessa campanha, que visa desarticular, atingindo seu líder, o campo popular e democrático, atesta a vitalidade política de Lula.

É a candidatura de Lula em 2018 -algo que ainda não está resolvido, mas tem meu decidido apoio- que essa campanha tenta atingir. Aos 70 anos. Lula ainda tem muito a contribuir para a história do Brasil.

 

RUI FALCÃO, 71, formado em direito pela USP. é presidente nacional do PT

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais