Por Renato Rovai: Jogo duro e violento de Alckmin vai viralizar ocupação de escolas

Compartilhar

 

O governador Alckmin está seguindo à risca a sua política à la Big Stick.  Fala com suavidade para a mídia, mas bota a policia com cassetes e escopetas na rua pra “dialogar” com os movimentos.

Alckmin não está sendo original. O Big Stick foi criado por Roosevelt. Ele defendia que o EUA só deveriam dialogar com a América Latina mostrando força. Ou seja, na base do porrete.

O governador paulista vem obtendo sucesso há muito tempo usando essa tática com os movimentos sociais, mas parece ter encontrado agora um adversário perigoso e que pode levá-lo a uma derrota histórica.

Ontem estive na escola Fernão Dias, que conheço há uns 20 anos. Ela foi a primeira a ser ocupada em São Paulo por estudantes que são contra o plano de fechamento de escolas que Alckmin pretende implementar sem ter discutido com ninguém, professores, pais, alunos, especialistas em educação e qualquer outro segundo da sociedade.

Haviam uns 20 carros de polícia por lá e uns 150 a 200 policiais cercando o local. Dentro do colégio, no máximo 20 garotas e garotos, sendo que apenas um deles parece ter 18 anos. Todos os outros menores de idade.

Me impressionou ver uma menina ruiva de uns 14 anos que parecia ser uma das líderes do movimento. Segundo depoimento de quem estava acampado por lá em solidariedade, ela já tinha conseguido driblar a barreira policial por duas vezes, tendo saído e entrado da escola.

Fiquei imaginando o que aconteceria com ela se fosse agredida por um daqueles policiais bem nutridos, fortes e ameaçadores que estavam por lá. Ela provavelmente desmontaria.

Hoje já são sete escolas ocupadas. Essas histórias estão correndo o estado. Em Osasco, Diadema, Santo André, na Zona Sul, na Leste etc. garotas e garotos estão se mobilizando.

E a polícia e suas tropas de choque estão sendo acionadas para barrá-los na sua legítima ação de protestar contra uma das mais absurdas ações de todos os tempos que um governador de São Paulo tenta patrocinar com seu jeito meigo de mudar o nome das coisas, o fechamento de escolas.

A potência desse movimento é algo que supera o Big Stick de Alckmin. Se ele vier a mostrar força com esses garotos, terá milhares e milhares de pessoas nas ruas e nas escolas em solidariedade a eles e contra ele. O tamanho da desproporção da violência é algo que não deixa espaço a dúvidas.

Mas ao mesmo tempo se Alckmin vier a ficar quieto fazendo de conta que não é com ele, o movimento pode ir ganhado força aos poucos e em breve serão 100 escolas ocupadas.

Ou o governador recua enquanto é cedo ou viverá dias de Beto Richa.

Essa meninada conseguiu colocar o supostamente imbatível Alckmin nas cordas. Se ele pagar pra ver, vai perder.

Renato Rovai é editor da “Revista Fórum”

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais