Por Sônia Sampaio: Brasil × golpistas: Quem ganhará o jogo?

Compartilhar

 

 

Dilma foi reeleita democraticamente para continuar na Presidência do Brasil de 2015 a 2018. Novamente, golpistas tentarão interromper o processo democrático para tomar o poder.

Nos tempos de FHC – 1995 a 2002 –, havia várias suspeitas de corrupção envolvendo o ex-presidente, mas o Congresso não propôs impeachment.

Quanto à Petrobras, em 1996, o jornalista Paulo Francis denunciou a corrupção na estatal, mas o Congresso não propôs impeachment do presidente.

Em 2000, José Eduardo Andrade Vieira, ex-ministro de FHC, denunciou o uso de caixa 2 na campanha de eleição presidencial de FHC em 1994, mas o Congresso não propôs impeachment do presidente.

Se o Congresso não propôs impeachment para FHC com base em denúncias, não tem moral para propor impeachment para Dilma que combate a corrupção, doa a quem doer.

Nunca se combateu tanto a corrupção no Brasil quanto nos governos do PT e isso incomoda os políticos acostumados com a impunidade que vigorava antes de 2003.

Quanto ao chamado “Petrolão” foram citados pelos criminosos delatores políticos de diferentes partidos PP (32 filiados), PMDB (7), PT (6), PSDB (6), PSB (1) e PTB (1).

Então, se votarem a favor do impeachment de Dilma, terão de votar também a favor da cassação do mandato de todos os políticos citados pelos criminosos delatores.

A verdade que a TV Globo e Veja escondem da população é que os políticos do Congresso que são a favor do impeachment da presidenta Dilma é porque têm interesse na continuidade da impunidade de outrora.

O povo não quer impeachment, porque sabe que o problema do Brasil não é a presidenta Dilma.

O que o povo quer é a solução para seus problemas nas áreas de educação, saúde, habitação e transporte bem como a punição dos políticos corruptos de todos os partidos.

Os maiores problemas do Brasil são dívida interna, sonegação fiscal e corrupção política que não se resolverão com impeachment.

Globo e Veja não informam para a população que o Brasil perde muito mais com a sonegação fiscal do que com a corrupção política: em 2013, perdeu R$415 bilhões e em 2014, R$500 bilhões com a sonegação.

Os maiores sonegadores são os ricos que não pagam todos os impostos devidos.

As vítimas da corrupção política e sonegação fiscal são os pobres e a classe média, que precisam de mais investimentos públicos nas áreas essenciais para terem melhor qualidade de vida.

Os principais problemas do Brasil somente se resolverão com a reforma política sem doação de empresas para os políticos e a reforma tributária.

Se os políticos do Congresso forem patriotas defenderão a democracia e apoiarão as mudanças nas leis para avançarmos na justiça social, condição para a paz.

Milhões de brasileiros e brasileiras torcem para que o Brasil ganhe esse jogo político contra o impeachment para o bem de todos, especialmente dos pobres e da classe média.

Viva a democracia! Fica, Dilma!

 

Sônia Sampaio - militante petista do DZ da Vila Formosa e membro do Setorial da Educação do PT-SP

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais