Rui Falcão: Decisão do STF sobre jurisprudência é gravíssima

Compartilhar

 

O PT vem denunciando – e eu repito em todas as entrevistas – que está sendo gestado, no interior do Estado Democrático de Direito, um perigoso estado de exceção. Fecundado pela reação conservadora, aí incluídos funcionários de diferentes áreas do aparelho de Estado, e festejado pela mídia monopolizada que o fortalece, este monstrengo não investe apenas contra o PT e o presidente Lula, que são seus alvos principais neste momento. Mas ameaça a própria democracia brasileira.

Como afirmamos em documento a ser divulgado proximamente “até mesmo os fundamentos celebrados na abertura da Constituição de 1988, pautados pelos ideais de soberania, dignidade da pessoa humana e pluralismo político, são marginalizados por interesses de grupos gananciosos.

Na sanha para assumir o poder a qualquer custo estes grupos “violam todos os preceitos constitucionais da presunção de inocência, do direito à defesa, do exercício do contraditório, do devido processo legal, da preservação da imagem, privacidade, dignidade e honra”.

Evidente que se beneficiam do senso comum e da repulsa da populacão aos malfeitos e à corrupção, que sempre combatemos e que eles sempre acobertaram. Mas a corrupção pode, deve e tem de ser combatida nos marcos do Estado de Direito.

Volto a este tema devido a um fato recente, que considero gravíssimo. Trata-se da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de 17 de fevereiro último, que mudou a jurisprudência da Corte, passando a permitir que, após decisões de segundo grau, confirmatórias de sentenças de condenação, a pena de prisão já seja executada. Na prática, a maioria do STF parece ter revogado o princípio da presunção de inocência, inscrito no inciso 57, do artigo 5o. da Constituição, segundo o qual “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”.

A decisão – que se espera não se consolide – foi saudada pelos jornalões e revistas sem credibilidade. Mas foi repelida pela OAB, pela Defensoria Pública e por outras entidades democráticas. Ao contrário dos partidários das políticas de encarceramento, quem resumiu bem o sentido do retrocesso foi o presidente da Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas, Luiz Flávio Borges D’Úrso: “Negar o princípio d presunção de inocência” disse ele, “não é fechar uma janela da impunidade, mas é, sim, abrir a porta para o erro judiciário, é mutilar nossa Constituição Federal e patrocinar injustiças, no palco desse grande desastre humanitário”.

Rui Falcão, presidente nacional do Partido dos Trabalhadores

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais