Por Arthut Henrique: Golpe representará 20 anos de retrocesso no Brasil

Compartilhar

 

O golpe em curso, é apoiado por aqueles que até hoje não se conformam com as conquistas sociais da Constituição Federal de 88.

É apoiado por aqueles que defendem o Estado Mínimo, ou seja na contramão do início das manifestações de Junho de 2013 que defendiam mais qualidade na política pública de saúde, educação, transporte e segurança.

É apoiado por aqueles “pseudo” “patos” empresários que defendem redução de impostos porque não precisam de saúde pública nem de educação de boa qualidade, gratuita e universal porque tem dinheiro para pagar saúde e educação privadas, inclusive fora do Brasil.

É apoiado por aqueles que querem flexibilizar os direitos trabalhistas (CLT) para fazer com que o Brasil se insira nas “cadeias globais” de produção como meros exportadores de matéria prima e com mão de obra barata.

É apoiado por aqueles que querem voltar a aplicar a política de “doação” do patrimônio público entregando a Petrobras, o BNDES, a CEF, o BB, os Correios, o Anhembi, o Pacaembú, etc. (né Joao Dólar?).

É apoiado por aqueles que querem manter todos os veículos de comunicação nas mãos de 07 famílias.

É apoiado por aqueles que querem voltar a falar que as Políticas Sociais não podem ser universais e sim “Focalizadas nos que mais precisam” porque não tem dinheiro para manter tudo isso que os “vermelhinhos” fizeram: Bolsa Família, ProUni, Mais Médicos, Minha Casa Minha Vida, Pronaf, aumento do Salário Mínimo, direitos das mulheres, dos negros, dos imigrantes, da população LGBT, do fim dos manicômios, do SUS, do SUAS, do Sistema Público de Emprego e renda, etc, etc, etc.

É apoiado por aqueles que não querem nem ouvir falar em Reforma Política, nem em Reforma Tributária, nem em Reforma Agrária, mas defendem o Sistema Financeiro que SUGA bilhões todos os anos dos impostos pagos pela população, na maioria pobres e das classes econômicas C,D e E.

É Apoiado por aqueles que querem voltar a controlar as instituições voltando ao tempo do engavetador geral da república.

É apoiado por aqueles que querem aprofundar a desigualdade no Brasil. Basta ler e ouvir o que estão propondo Temer, Serra, Cunha, Aecio, FHC, Andrea Matarazzo, João Doria, Pastor Feliciano, Paulo Skaf e tantos outros.

NÃO PASSARÃO. NÃO VAI TER GOLPE, VAI TER LUTA.



*Artur Henrique da Silva Santos é ex-presidente da CUT e atualmente secretário de Trabalho da Prefeitura de São Paulo

 

Últimos artigos

Por Rui Falcão: Uma semana decisiva que culmina dia 28
segunda, 24 abril 2017, 18:14
    O PT apoia e participa da greve geral nesta sexta-feira, e sua Executiva Nacional estará em Curitiba dia 2 de maio, em homenagem à festa da democracia do dia 3   Paulo Pinto/Agência PT Ato preparatório para a greve geral do... Leia Mais
Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais