Por Milton Pomar: Os donos do Brasil e o PT – vamos continuar esperando?

Compartilhar

 

 

Acabar com o PT sempre foi o sonho de latifundiários, capitalistas e políticos de direita

 

artigo-milton-pomar

Comprovado que o “ impeachment” não tem razão jurídica de ser, por inexistência de crime de responsabilidade, a maioria do Senado deverá ter o bom senso de votar pelo fim dessa imensa farsa, permitindo assim ao interino golpista voltar à sua insignificância e a presidenta eleita a reassumir seu mandato.

Mas… desfeita a farsa do “impeachment”, os donos do Brasil continuam a ofensiva judicial e midiática, visando impedir a vitória do PT nas próximas eleições presidenciais, tentando inviabilizar a candidatura do Lula, e, agora, liquidar o Partido dos Trabalhadores(!) – a exemplo do que fizeram com o PCB, na ditadura Dutra, após as vitórias do partido nas eleições municipais de 1946.

Realmente, a burguesia brasileira só aceita eleições que ela possa comprar ou fraudar…

Acabar com o PT sempre foi o sonho de latifundiários, capitalistas e políticos de direita. Como não conseguiram fazer isso pela via eleitoral, nem através da intensa propaganda da mídia articulada com integrantes do Estado e políticos de direita, decidiram partir para o tudo ou nada: dia 5 de agosto, Gilmar Mendes, ora presidente do Tribunal Superior Eleitoral – que se utiliza, de maneira impune até hoje, do cargo de ministro de tribunal superior para proselitismo político –, anunciou a instalação de procedimento jurídico para extinguir o Partido dos Trabalhadores.

Quem avalia que a ação de Gilmar Mendes “é só para aparecer, não vai prosperar”, esquece que os donos do Brasil não brincam em serviço.

Eles esfriaram a economia, causando o desemprego de milhões de pessoas, e, através da ofensiva jurídica visando culpar o PT pelo funcionamento do sistema político financiado pelo capital, desmontaram os setores da construção pesada e de petróleo e gás, causando enormes prejuízos à economia nacional e colocando em risco a soberania do país no setor de energia.

A partir de 2011, líderes empresariais, consultores e políticos de direita, divulgaram as teses de que somente uma crise econômica possibilitaria tirar o PT da Presidência, e que os modestos reajustes salariais, conquistados por várias categorias de trabalhadoras e trabalhadores, estavam “acima da produtividade” e por isso causavam queda dos lucros – esses reajustes foram obtidos, em alguns casos, graças ao quase pleno emprego, em 2011/12, o que possibilitou maior poder de barganha aos empregados.

Era preciso esfriar a economia nacional, aumentar o desemprego, diminuir salários e reajustes, e aí então, com a crise instalada, a oposição poderia ganhar as eleições de 2014.

A sucessiva redução da taxa de juros pelo Banco Central (Selic) no governo Dilma, até atingir 7,25%, em outubro de 2012, enfureceu os capitalistas que vivem de juros, porque diminuiu seus lucros absurdos.

Esse patamar inédito durou até abril de 2013 – quando Dilma atingiu o auge da popularidade: 79% de aprovação pessoal, pela pesquisa Ibope/ CNI publicada dia 19/03/13. Coincidentemente, a partir daí, Dilma passou a ser atacada com muita fúria, e a sua popularidade caiu cada vez mais.

Capitalistas que vivem de juros são poucos, mas não são fracos: estima-se serem 71 mil no Brasil, ganhando 500 bilhões de reais de juros por ano, somente da Dívida Pública, fora outras aplicações financeiras. Concentram mais de 60% da renda e do patrimônio no país – são os verdadeiros donos do Brasil.

A gota que lhes faltava, para entrarem na formação da crise, foi de petróleo: em maio de 2013, a Agência Nacional de Petróleo (ANP) licitou áreas do Pré-Sal, cujas reservas totais são estimadas em até 176 bilhões de barris, impondo o sistema de partilha nas concessões para exploração, e a obrigação de participação mínima de 30% da Petrobrás nos investimentos, exigências contrárias aos interesses das multinacionais do petróleo.

Esse é o quadro. Eles agem, e nós reagimos, às agressões, às mentiras, às armações e tudo o mais. A pergunta que não quer calar da militância de esquerda, em todo o país, é simples e direta: vamos continuar esperando?

Milton Pomar, 58, é militante e “campanheiro” do PT

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais