Por Paulo Fiorilo: Com Temer, crises política e econômica se agravam

Compartilhar

 

 

A queda de 0,8% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro no terceiro trimestre de 2016 ante os três meses anteriores é mais uma prova de que o governo golpista de Michel Temer não trouxe estabilidade para o país. Muito pelo contrário: o resultado divulgado nesta quarta-feira (30/11) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra o crescimento da recessão no Brasil – o que não é uma surpresa.

Desde o resultado das eleições de 2014, quando a presidenta Dilma Rousseff (PT) foi reeleita democraticamente com mais de 54 milhões de votos, a tentativa é de desmoralizar os governos do Partido dos Trabalhadores e realizar o golpe parlamentar, que se consumou em agosto deste ano. Esses foram, inclusive, os principais fatores que acarretaram na crise política e, consequentemente, no agravamento da crise econômica do país.

As promessas dos algozes de Dilma sempre foram de estabilidade e retomada da confiança, dos investimentos e do crescimento do Brasil. No entanto, um dos setores que puxou o PIB brasileiro para baixo é justamente o de investimentos. Ao invés de crescer, o setor apenas diminuiu ao longo desses seis meses de governo Temer.

A Formação Bruta de Capital Fixo, um dos indicadores de investimentos que compõem o PIB, recuou 3,1% no terceiro trimestre deste ano na comparação com os três meses anteriores.

Se levarmos em conta a taxa de investimento, em relação ao PIB, a situação fica ainda mais clara. No terceiro trimestre de 2016, a participação desse setor no PIB foi de 16,5%, ao passo que, no mesmo período do ano passado, houve registro de 18,2%. Portanto, estamos diante de uma queda de 1,7%. De acordo com o IBGE, o resultado deste ano é o menor desde 2003, quando a participação da taxa de investimento foi de 16,3%.

Além da confirmação de recessão diante dos resultados econômicos, é importante lembrar que o governo Temer segue de pernas bambas também por conta dos cortes em programas sociais, da Proposta de Emenda à Constituição 55 (antiga PEC 241, que prevê o congelamento de gastos públicos para os próximos 20 anos) e dos inúmeros escândalos envolvendo seus ministros – sete deles já foram afastados.

 

Entre os casos, podemos destacar a gravação do ex-ministro do Planejamento Romero Jucá (PMDB), homem de confiança de Temer. Em conversa com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, divulgado em maio deste ano, Jucá ressalta que “Michel é Eduardo Cunha” e que a queda da presidenta Dilma era importante para “estancar a sangria” e barrar investigações da Lava Jato.

 

Agora, com o recente caso do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, o governo Temer passa por mais um pico de crise. Calero afirma ter sido pressionado pelo presidente e pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) para liberar as obras de um empreendimento em Salvador, na Bahia. Isso porque Geddel tem interesses pessoais no edifício. O caso está sendo investigado, mas é preciso atenção para que se tenha continuidade e não seja esquecido.

 

O que já alertávamos durante o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff está se concretizando. O golpe trata-se, desde o início, de um jogo de interesses, que resultou em um governo completamente instável. Michel Temer jamais terá condições de implementar medidas concretas para o crescimento do país.

 

É possível que, em pouco tempo, a grande maioria dos brasileiros e brasileiras que apoiaram o golpe comece a perceber o erro cometido. Incentivar um governo de total incerteza está longe de ter sido uma boa decisão.

 
 
Paulo Fiorilo - vereador e presidente do Diretório Municipal do PT-SP

Últimos artigos

Por Rui Falcão: A necessidade de derrubar Temer e eleger Lula
terça, 18 abril 2017, 15:08
  Nosso caminho é aumentar as mobilizações, repelir o canto de sereia dos acordos por cima, defender os direitos e lutar pela antecipação das eleições   A impopularidade e o descrédito crescentes de Temer & seus asseclas; a... Leia Mais
Simão Pedro Chiovetti: A gestão Doria – vender SP
quarta, 12 abril 2017, 16:37
  Doria em menos de 100 dias demonstrou que não tem apego algum por SP e muito menos pelos paulistanos da periferia e classe média   Próximo de completar apenas 100 dias à frente da Prefeitura de SP, já é possível perceber que as... Leia Mais
Por Vitor Marques: 100 dias de governo João Doria: a São Paulo virtual e a São Paulo real
quarta, 12 abril 2017, 15:06
  Empossados os novos governos, via de regra, é esperado que a população tenha uma receptividade e uma tolerância maior com aqueles que estão iniciando a nova gestão. Este período é conhecido no vocabulário político como “lua... Leia Mais
Por Emídio de Souza: Algo está errado
terça, 11 abril 2017, 21:35
  Algo está errado. Contrariando a tradição da política brasileira, um partido chama seus filiados a debater seu futuro e escolher seus dirigentes. Mais de 250 mil atendem ao chamado e, sem serem obrigados, vão às urnas em quase 4... Leia Mais
Rui Falcão: As alternativas do PT para a Previdência
segunda, 13 março 2017, 19:03
  Em meio às manifestações contra o desmonte da Previdência (e foi notável a reação das mulheres no 8 de março, dia de luta também contra o conservadorismo e a violência), abre-se agora o debate sobre qual a melhor tática... Leia Mais