Em Curitiba, Jornada de Lutas defende democracia e apoio a Lula

Compartilhar
 
 

Nesta semana, a cidade de Curitiba (PR) tornou-se o centro da luta em defesa da democracia e dos direitos da classe trabalhadora. Na manhã desta terça-feira (9), milhares de pessoas de todo o País já começavam a chegar ao Acampamento pela Democracia, na capital paranaense.

Organizado pela Frente Brasil Popular, em conjunto com diversos movimentos sociais, sindicais e religiosos, o Acampamento faz parte da Jornada de Lutas Pela Democracia, que acontece até o dia 10 de maio.

“Muitos ainda estão na estrada, vindo para cá. São pessoas que estão se somando à nossa grande jornada de lutas em defesa dos direitos trabalhistas, em defesa da CLT, em defesa do direito à aposentadoria e à seguridade social”, explica a coordenadora da Frente Brasil Popular e secretária de Mobilização e Relação com Movimentos Sociais da CUT, Janeslei Aparecida Albuquerque.

O objetivo da Jornada é dialogar com a sociedade sobre os ataques à democracia e sobre a importância de defender as conquistas do povo brasileiro, ressalta Diego Moreira, membro da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que faz parte da Frente Brasil Popular.

Lula Marques/Agência PT

Curitiba tornou-se o centro da luta em defesa da democracia e dos direitos da classe trabalhadora

Para ele, Curitiba tem se tornado central na perspectiva do ataque à democracia, por isso o acampamento nesta cidade é estratégico.

“Em função dos ataques que a nossa recente democracia vem sofrendo, desde o processo de impeachment, com um processo largo de criminalização das organizações e da militância de esquerda, os movimentos sociais, partidos políticos, as organizações religiosas, sindicais, assumiram para si a tarefa, neste momento, de fazer a defesa da democracia, estabelecendo um diálogo direto com a sociedade brasileira sobre os riscos com as perdas de direitos”, afirma o dirigente do MST.

Presente ao acampamento, o deputado estadual Tadeu Veneri (PT-PR) acrescenta que a mobilização das pessoas para ir a Curitiba é também uma resposta a toda a arbitrariedade que vem sendo cometida nesse processo.

O petista faz referência à decisão da Juíza do Paraná, Diele Denardin Zydek, que proibiu manifestações públicas na cidade, por conta do depoimento do ex-presidente Lula Inácio Lula da Silva ao juiz federal Sergio Moro, nesta quarta-feira (10).

“É a única cidade do Brasil que tem, por determinação judicial, um ‘interdito proibitório’ que proíbe que pessoas se manifestem em uma área de todo o perímetro de Curitiba, 25 km de onde vai acontecer o depoimento. Não há precedente disso na história do Brasil”, enfatiza.

Lula Marques/Agência PT

Deputado estadual Tadeu Veneri (PT-PR), no Acampamento pela Democracia, em Curitiba

Veneri acredita que, se não derrubado, o interdito proibitório abre um precedente “extremamente perigo”.

“Porque ele nos coloca, de fato, em um estado de exceção, em que as pessoas, para se manifestar, precisam de autorização judicial. Nós não precisamos de autorização judicial. A Constituição nos garante isso”, declara.

Sobre o depoimento de Lula, a coordenadora da Frente Brasil Popular explica que os movimentos estão reunidos em Curitiba também em solidariedade e apoio ao ex-presidente.

“Na verdade é defender o que o Lula representa. Lula representa a defesa dos nossos direitos, a defesa do direito à aposentadoria, a defesa do direito às leis trabalhistas e à proteção ao trabalhador”, aponta.

 

Fonte: Agência PT de Notícias

 

Últimos artigos

Maurílio Araújo: Ainda podemos derrotar a reforma trabalhista!
quinta, 20 julho 2017, 20:51
    A lei no. 13.467/17, vulgo "reforma trabalhista", aprovada por um congresso composto em sua expressiva maioria por representantes patronais corruptos e sancionada por aquele que talvez seja o maior bandido golpista que já sentou ... Leia Mais
Por Antônio Donato e Paulo Fiorilo: Pacote de concessões é cheque em branco
quinta, 20 julho 2017, 20:48
  É chocante a superficialidade do artigo do secretário de Desestatização da Prefeitura de São Paulo. Wilson Poit, publicado na Folha em 5/7. Sem argumentos convincentes, o texto é pródigo em autoelogios, cheio de generalidades e... Leia Mais
Por João Bravin: Por que não formar uma Rede de Transmissão Democrática de Comunicação?
quinta, 06 julho 2017, 18:39
  Uma rede de esquerda, ampla, para contrapor à comunicação monopolizada da Rede Golpista de rádios, TVs e web. Resolvi escrever sobre um tema que é muito caro para a esquerda como um todo: a falta de comunicação com uma grande... Leia Mais
Por Nabil Bonduki: Será uma irresponsabilidade aprovar as privatizações de Doria no escuro
terça, 04 julho 2017, 19:45
  Você assinaria uma procuração para um gestor, por melhor que fosse, para vender, alugar ou conceder o patrimônio que você acumulou ao longo da vida, sem estabelecer condições, preço e destinação da receita obtida?Pois é isso... Leia Mais
Por Juliana Borges: SP, Um gestor que quer vender tudo vai gerir o que?
segunda, 03 julho 2017, 16:29
  Já na campanha eleitoral, João Dória Jr. demonstrava suas intenções de fazer da cidade de São Paulo um grande negócio. Ainda em Julho de 2016, em entrevista, o atual Prefeito defendia “uma onda de privatização de bens... Leia Mais